Bryn Lennon/ AFP
Bryn Lennon/ AFP

Com sequelas da covid-19, Hamilton diz estar 'destruído' após corrida em Abu Dabi

Heptcampeão mundial terminou a última corrida da temporada em terceiro

Redação, Estadão Conteúdo

13 de dezembro de 2020 | 16h00

Lewis Hamilton voltou a falar sobre os efeitos da covid-19. O piloto da Mercedes foi o terceiro colocado no GP de Abu Dabi, que encerrou a temporada 2020 da Fórmula 1, e não conseguiu ameaçar em nenhum momento Max Verstappen, que venceu a prova. Sua performance aquém do esperado é fruto das limitações físicas provocadas pela sequelas da doença.

Após a corrida nos Emirados Árabes, o heptacampeão mundial, que já havia relatado incômodo nos pulmões depois do treino classificatório, revelou que não se sentiu bem fisicamente durante a prova e que é muito desafiador correr dias depois de ser contaminado.

"Nunca me senti tão destruído. Meu corpo não está bem", resumiu o britânico. "Mas estou feliz, estou grato, estou vivo para lutar outro dia. Ainda consegui terminar a temporada com um pódio, por isso agradeço a equipe por ter contribuído. Considerando as últimas semanas que tive, estou realmente feliz com o fim de semana", acrescentou.

Hamilton testou positivo para o coronavírus um dia depois de vencer o GP do Bahrein, no fim de novembro, e foi substituído na etapa seguinte, o GP de Sakhir, por George Russell.

Ele foi liberado para retornar às atividades nesta semana e participar da última corrida do ano depois do período de isolamento e de testar negativo, mas as sequelas permanecem.

O piloto da Mercedes relatou que sentiu os efeitos do vírus durante todo o fim de semana. Na sexta-feira, registrou apenas o sexto e o segundo tempos nos primeiros treinos livres. No sábado, quando classificou-se em terceiro para o GP de Abu Dhabi, disse que ainda sentia um incômodo nos pulmões, admitiu que não estava 100%, mas falou que não perderia a prova final de 2020 por nada.

Na pista, ficou longe de ameaçar seu companheiro Valtteri Bottas, o segundo, e o vencedor Max Verstappen, algo incomum para quem se acostumou a estar no lugar mais alto do pódio e que dominou a temporada.

"Foi realmente uma corrida difícil para mim fisicamente. Estive bem o ano todo, mas hoje definitivamente não", lamentou Hamilton, que voltou a alertar para a necessidade de encarar o coronavírus com seriedade. "Covid não é brincadeira. Jamais pensei que fosse, e sabia que se eu me infectasse seria difícil, porque existem pessoas perdendo suas vidas, eu sei que é sério. Mas sempre achei muito estranho ver líderes mundiais rindo disso como se não fosse nada".

O britânico foi o terceiro piloto da Fórmula 1 a contrair o coronavírus. Além dele, também foram contaminados o mexicano Sérgio Perez e o canadense Lance Stroll, ambos da Racing Point. A Mercedes também sofreu com um surto da doença entre funcionários no GP de Eifel, na Alemanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.