Começa o campeonato da GP 2

Nesta sexta-feira, às 4h30 (horário de Brasília), começa a ser disputada, em Ímola, a etapa de abertura da mais nova categoria que pretende ser a principal fornecedora de grandes talentos para a Fórmula 1, a GP2. Substitui a Fórmula 3000, competição que muito pouco contribuiu para renovação de pilotos no Mundial. O Brasil tem dois representantes na GP2, Nelsinho Piquet e Xandinho Negrão, na equipe Hitech Piquet Sports."Nosso time veio direto da Fórmula 3 para cá, ao passo que a maioria proveio da Fórmula 3000. Tudo é novo para nós", disse, ontem, antes do primeiro treino livre de hoje, Nelsinho Piquet, campeão britânico de Fórmula 3. "Apesar disso, fizemos uma bela pré-temporada. Quando compreendermos bem como lidar com esse formato de competição acho que deveremos lutar pela vitória." Tudo é muito fugaz na GP2. Os pilotos têm meia hora de treino livre às sextas-feiras pela manhã, das 9h30 às 10 horas (hora local), uma sessão classificatória à tarde, de 30 minutos também, das 15h30 às 16 horas, e disputam uma corrida sábado, de uma hora, com dois pit stops obrigatórios, das 14h30 às 15h30. No domingo participam de outra etapa do campeonato, bem rápida, curta, das 11h30 às 12 horas, com grid formado de acordo com a classificação da primeira prova, no sábado."Para pilotos sem muita experiência como eu, esse formato é ainda mais complicado. Nos treinos que antecederam o início da temporada, porém, em situações semelhantes, não fiquei tão distante do Nelsinho, mais experiente que eu", comentou Xandynho Negrão, de 19 anos, campeão sul-americano de Fórmula 3.Os pais dos dois pilotos, ambos com larga vivência no automobilismo, Nelson Piquet e Xandy Negrão, vão acompanhar a etapa de abertura da GP2 no circuito Enzo e Dino Ferrari. "O Nelsinho tem tudo para dar certo. É talentoso, a equipe vem crescendo, apesar dos problemas de fabricação do carro. Vamos ver", falou Nelson Piquet, três vezes campeão do mundo de Fórmula 1.O modelo usado na GP2 é um chassi Dallara, de dimensões iguais aos carros da Fórmula 1, pneus Bridgestone de mesmas medidas também, e motor Renault 4,0 litros, V-8, de 600 cavalos, além do câmbio semiautomático, acionado com os dedos, através de pequenas alavancas atrás do volante. O Dallara-Renault da GP2 mostrou-se extremamente veloz, cerca de nove segundos mais lento que os melhores da Fórmula 1 em Barcelona, por exemplo."Nosso objetivo foi o de aproximar a categoria do mundo da Fórmula 1, com a tecnologia dos carros, velocidade, necessidade de pit stops", disse ontem Bruno Michel, organizador do evento, que conta com o apoio de Bernie Ecclestone, o promotor da Fórmula 1. Dentre os que devem lutar pelo título com Nelsinho estão o finlandês Heikki Kovalainen e o francês Nicolas Lapierre, da equipe Arden, o finlandês Nico Rosberg e francês Alexandre Prémat, da Art Grand Prix, dentre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.