Começa o desafio do Rali Dacar

Cerca de 700 veículos iniciam nesta sexta-feira, a partir das 8h45, a disputa do rali mais perigoso do mundo, o Dacar, com um percurso de 8.956 quilômetros, que serão percorridos em 16 dias. Pela quarta vez na história da competição, que está em sua 27ª edição, a largada ocorrerá na Espanha, em Barcelona. Desde a sua criação, em 1979, quando a competição iniciou na França, recebendo o nome que a tornou internacionalmente conhecida, Paris-Dacar, a disputa sempre foi marcada pelos desafios físicos e técnicos do trajeto. Além deles, há os fatores alheios à disputa como: mortes, terroristas, minas terrestres, assaltos e saques. Ao longo dos anos, o Dacar já contabilizou a morte de 13 competidores, excluindo as vítimas que participaram nas equipes de apoio e jornalistas. O idealizador da competição, o francês Thierry Sabine, foi um dos que perderam a vida na edição de 1986. Ele acompanhava de helicóptero a disputa, auxiliando os competidores perdidos no deserto, quando sua aeronave sofreu um acidente, após entrar em uma tempestade de areia. Outro dado impressionante é que apesar da dificuldades e perigos aumentarem a cada edição, o número de inscritos para o Dakar cresce a cada ano. No ano passado, foram 400 veículos, sendo 195 motos, 142 carros, 63 caminhões e 195 automóveis de assistência. Para a edição 2004/05 serão 416 competidores e 279 veículos de apoio. Neste ano, o Brasil voltará a ser representado pela equipe Petrobrás/Lubrax, com Jean Azevedo, na moto, Klever Kolberg e Lourival Roldan, no carro, além de André Azevedo, Luiz Azevedo e o Checo Mira Martinec, no caminhão. "Este rali será muito especial para nós porque estaremos chegando à maioridade. Vamos competir pela 18ª vez e temos chances muitos boas de terminarmos nas primeiras colocações", disse Kolberg. Leia mais sobre o Rali-Dacar

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.