Começam as aventuras do Rali Paris-Dacar

Começam nesta quinta-feira as aventuras do rali mais famoso do mundo, o Paris-Dacar, que desta vez promete ser ainda mais emocionante para o Brasil. O País é o único a competir nas três categorias da competição, sendo um dos favoritos na classificação geral para os títulos no caminhão e na moto. Já no carro, Klever Kolberg e Lourival Roldan tentam terminar entre os dez primeiros. ?Cada edição do Paris-Dacar é uma surpresa. O piloto precisa estar preparado para enfrentar todas as dificuldades e até os imprevistos?, disse André Azevedo, de 44 anos, que este ano comemorará sua 13ª participação. Ele pilotará um caminhão Tantra, tendo por companheiros os checos Tomas Tomecek e Mira Martinec. No ano passado, o trio ficou com a vice-colocação da disputa. Na categoria motos, Jean Azevedo, de 29 anos, campeão da categoria Production, em 2003, estará com um equipamento melhor, o que o habilita a tentar o título no geral, na tentativa de superar a quinta posição do ano passado. Como vai concorrer com uma moto semi-oficial, uma KTM 660 de 700 cilindradas, é um dos principais favoritos ao título. Mas, como nem sempre a habilidade dos pilotos brasileiros é capaz de fazer a diferença em uma competição, Kolberg, de 41 anos, e Roldan, de 45 anos, vão precisar de um milagre para conseguir terminar ao menos entre os dez na classificação geral. A categoria carros é a mais disputada do Paris-Dacar e o investimento de cerca de R$ 4 milhões anuais feito pelo time brasileiro parece insignificante se comparado aos R$ 80 milhões aplicados pela Mitsubishi em sua equipe oficial. ?Para nós a situação é mais difícil porque competir por uma primeira colocação nos carros vai além de nossas possiblidades?, afirmou Kolberg, que pilotará um Mitsubishi Pajero Full. O carro foi o veículo que recebeu o maior volume de recursos na equipe Petrobrás/Lubrax, R$ 1 milhão, seguido pelo caminhão, R$ 400 mil, e moto, R$ 250 mil. E, para vencer as dificuldades, muita tranqüilidade é a receita do navegador Lourival Roldan, em sua segunda participação no Paris-Dacar. ?A prova é muito louca, mas é uma aventura incrível?, disse Roldan, lembrando que enfrentou no deserto africano em 2003 uma temperatura de 60ºC, dentro do carro. ?Teve uma hora que o solado do meu chinelo e um despertador que carregava dentro da mochila derreteram.? Hoje o dia foi de vistoria nos veículos para a largada da prova de amanhã, que ocorrerá na cidade francesa de Clemond Ferrand. Toda equipe Petrobrás/Lubrax já se encontra no local desde terça-feira realizando os preparativos finais para o percurso de 11.092 quilômetros, que contará com a participação recorde de 607 veículos e tem previsão de término para o dia 18.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.