Greg Baker/AP
Greg Baker/AP

Corrida deu confiança a Mark Webber, diz chefe da Red Bull

O pódio em Xangai serviu para mostrar que ele ainda pode brigar pelo título da F1

AE, Agência Estado

19 de abril de 2011 | 16h16

XANGAI - Apesar da vitória do inglês Lewis Hamilton, da McLaren, o grande nome do GP da China de Fórmula 1, disputado no último domingo, em Xangai, foi Mark Webber. Ele largou apenas na 18.ª colocação, mas conseguiu chegar ao pódio, terminando a prova em terceiro lugar. E, na avaliação da equipe Red Bull, essa performance serviu, principalmente, para dar confiança ao piloto australiano para o restante da temporada.

Enquanto seu companheiro de equipe, o alemão Sebastian Vettel, venceu as duas primeiras etapas do campeonato, Webber ficou em quinto lugar na Austrália e em quarto na Malásia. Para completar, o australiano teve péssima performance no treino de classificação do GP da China, conseguindo apenas a 18.ª posição. O resultado da corrida em Xangai, no entanto, serviu para mostrar que ele ainda pode brigar pelo título.

"Acredito que foi ótimo para sua confiança conseguir um bom resultado, principalmente com uma boa pilotagem", afirmou Christian Horner, chefe da Red Bull, ao comentar sobre a performance de Webber no GP da China em entrevista ao site da revista inglesa Autosport. "Ele teve um treino de classificação complicado, mas não abaixou a cabeça, não perdeu a concentração e conseguiu fazer uma grande corrida", completou.

Segundo Horner, as novas regras da Fórmula 1 (com maior desgaste dos pneus) e uma estratégia de sucesso (fez três paradas nos boxes) ajudaram Webber no GP da China. "Tudo funcionou de maneira fantástica para Mark. No começo da prova, ele estava lutando contra um carro da Lotus. Depois, no final, estava lutando contra a McLaren. Então, a estratégia funcionou muito bem para ele", afirmou o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.