Rick Rycroft/AP
Rick Rycroft/AP

Corte da F-1 aprova uso do difusor e beneficia a Brawn GP

Com isso, as esperanças de conquistar o título para Button e Barrichello aumentaram significativamente

Alan Baldwin, Reuters

15 de abril de 2009 | 08h09

PARIS - As esperanças de título do britânico Jenson Button e do brasileiro Rubens Barrichello aumentaram significativamente nesta quarta-feira quando uma corte de apelações em Paris decidiu a favor do uso do controverso difusor presente nos carros da equipe Brawn GP.

Veja também:

tabela F-1: classificação do Mundial

especialConfira o calendário da temporada

especialESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

A corte de apelações da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) também declarou legais os carros das equipes Toyota e Williams, que também utilizam o polêmico equipamento.

Button venceu as duas primeiras corridas da temporada, na Austrália e na Malásia, depois de superar protesto de equipes como Ferrari, Renault, Red Bull e BMW-Sauber, não atendidos pelos comissários de prova.

As quatro equipes então apelaram contra as decisões dos responsáveis pelas corridas.

A FIA disse em um comunicado que a corte, que se reuniu em Paris na terça-feira, havia decidido negar as apelações.

"Com base nos argumentos ouvidos e nas evidências apresentadas, a Corte concluiu que os Comissários estavam corretos em constatar que os carros em questão cumpriam com o regulamento aplicável", disse o comunicado.

A nota disse que os argumentos seriam detalhados posteriormente.

FAVORITOS EM XANGAI

Button e Barrichello são agora favoritos para dar à Brawn GP a terceira dobradinha seguida na temporada na prova deste final de semana no GP da China, em Xangai.

Se o veredicto tivesse ido contra as três equipes, Button e Barrichello poderiam ter perdido os pontos obtidos nas duas primeiras provas, tumultuando o campeonato.

Agora, as equipes rivais correrão contra o tempo para fazer mudanças radicais nos projetos de seus carros e apresentar suas próprias versões dos difusores -- que asseguram uma passagem mais suave do ar sob os carros para criar mais aderência -- num período da competição em que os testes estão banidos.

A Toyota, segunda colocada no mundial de construtores atrás apenas da Brawn GP, disse nunca ter duvidado da legalidade de seus carros.

"Nós estudamos as normas técnicas com detalhes precisos, consultando a FIA em nosso processo, e nunca duvidamos que nosso carro cumpriu com elas", disse o diretor da equipe, Tadashi Yamashina, em um comunicado.

Atualizado às 9h32 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.