Coulthard é mais rápido em treino livre

A exemplo do que ocorreu em Mônaco, os pilotos que usam pneus Michelin foram os mais velozes nesta sexta-feira no primeiro dia de treinos para o GP do Canadá, oitava etapa da temporada. Desta vez, porém, a ordem inverteu-se: David Coulthard, da McLaren, vencedor no Principado e segundo no grid, ficou em primeiro no circuito Gilles Villeneuve, com 1min15s407, e o autor da pole positon em Mônaco, Juan Pablo Montoya, da Williams, registrou o segundo tempo, 1min15s543. O líder do campeonato, Michael Schumacher, da Ferrari, foi terceiro, 1min15s788, sendo o único dentre os seis primeiros que compete com pneus Bridgestone. Adrian Newey, projetista da McLaren, já não escondia suas críticas aos pneus Michelin até pouco antes da corrida de Mônaco, enquanto o pessoal da Williams, apesar de cobrar os franceses, ao menos diante da imprensa eram comedidos nas acusações. Coincidência ou não, foi a partir do Principado que Pierre Dupasquier, o chefe da Michelin, passou a fornecer pneus bem mais eficientes que até então. Nesta sexta-feira em Montreal ficou claro que neste sábado, na sessão que definirá o grid, os pilotos que usam os pneus franceses estarão em vantagem com relação aos que têm os Bridgestone. A Rede Globo transmite o treino de classificação a partir das 13h45, horário de Brasília. "Não estou preocupado com o fato de nossos adversários estarem na frente", falou Schumacher. "Eles até podem ter alguma vantagem em uma volta lançada, como nos treinos, mas para a corrida (70 voltas este ano) nossos pneus deverão ser bem constantes." O alemão contou que em 2001 seus pneus causaram alguns problemas durante a prova, a ponto de cruzar em segundo, distantes 20 segundos atrás do vencedor, Ralf Schumacher, da Williams, time da Michelin. "Usei o dia para definir bem qual pneu usar. Vou trabalhar melhor no acerto do carro neste sábado." A expectativa do diretor-esportivo da Ferrari, Jean Todt, confirma que mais uma vez Michael Schumacher e Rubens Barrichello não devem lutar pela pole position, salvo surpresa. "Espero vê-los nas duas primeiras filas." David Coulthard afirmou na quinta-feira que não esperava um grande desempenho da McLaren em Montreal, exceto se a Michelin repetisse o grande trabalho de Mônaco. Pode ser que durante a corrida a história seja outra, mas nesta sexta-feira os franceses foram superiores aos japoneses, devendo o mesmo se repetir neste sábado. "Os pneus que usamos propiciou um ótimo acerto do carro e me permitiu atacar nas entradas de curva, o que é importante aqui", explicou Coulthard. "Acho que estaremos, para minha surpresa, em grande forma também para a classificação." O diretor da Bridgestone, Hisao Suganuma, disse nesta sexta-feira ter aprendido com o erro de 2001 no Canadá: "Trouxemos pneus moles demais." Se os pneus um pouco mais duros podem prejudicar seus pilotos na definição do grid, durante a corrida tendem a ser um ponto a favor. Já o seu concorrente da Michelin, Dupasquier, dizia o oposto. "Mesmo o pneu mais duro que trouxemos para cá pode ser descrito como muito mole." Ele explicou um dos problemas dos pneus no circuito Gilles Villeneuve. "Usa-se pouca asa por causa das longas retas e como consequência os carros escorregam bastante, o que faz os pneus trabalharem, muitas vezes, acima da temperatura ideal (100 graus Celsius)." O sol forte e calor durante a tarde, 23 graus, favoreceu os pneus franceses, por darem-se melhor nessas condições. Os pilotos da Williams, Juan Pablo Montoya e Ralf Schumacher, não escondiam o sorriso depois do treino. "Estou com um feeling de que conseguiremos, como em 2001, outro grande resultado", falou o colombiano. "Os pneus Michelin estão competitivos de novo e sei que temos um belo motor. No mínimo as diferenças para nossos adversários serão bem pequenas." Ralf marcou o quinto tempo, 1min16s018, enquanto o companheiro de Coulthard na McLaren, Kimi Raikkonen, o quarto, 1min15s946. A diferença de Coulthard, primeiro, para Ralf, sexto, foi de apenas 611 milésimos. Os brasileiros, os três com Bridgestone, justificaram suas fracas colocações com o fato de terem trabalhado para a corrida e que portanto transportavam volume considerável de gasolina no tanque. Rubens Barrichello, da Ferrari, foi oitavo, Enrique Bernoldi, Arrows, 13º, e Felipe Massa, Sauber, 16º. Veja a classificação final dos treinos livres para o GP de Montreal de F-1.1. David Coulthard (ESC) McLaren 1:15.407 2. Juan Pablo Montoya (COL) Williams 1:15.543 3. Michael Schumacher (ALE) Ferrari 1:15.788 4. Kimi Raikkonen (FIN) McLaren 1:15.946 5. Ralf Schumacher (ALE) Williams 1:16.018 6. Mika Salo (FIN) Toyota 1:16.259 7. Olivier Panis (FRA) BAR 1:16.333 8. Rubens Barrichello (BRA) Ferrari 1:16.440 9. Jacques Villeneuve (CAN) BAR 1:16.448 10. Heinz-Harald Frentzen (ALE) Arrows 1:16.793 11. Pedro de la Rosa (ESP) Jaguar 1:16.801 12. Giancarlo Fisichella (ITA) Jordan 1:16.989 13. Enrique Bernoldi (BRA) Arrows 1:17.018 14. Nick Heidfeld (ALE) Sauber 1:17.250 15. Jenson Button (ING) Renault 1:17.473 16. Felipe Massa (BRA) Sauber 1:17.489 17. Eddie Irvine (IRL) Jaguar 1:17.765 18. Mark Webber (AUS) Minardi 1:18.034 19. Takuma Sato (JAP) Jordan 1:18.143 20. Allan McNish (BRI) Toyota 1:18.311 21. Jarno Trulli (ITA) Renault 1:18.465 22. Alex Yoong (MAL) Minardi 1:19.050

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.