Criador do "Tema da Vitória" indignado

Em 1981, Eduardo Souto Neto compôs a música "Tema da Vitória" para a Rede Globo executá-la ao final de toda edição do Grande Prêmio Brasil. Desde 1984, quando a melodia foi executada pela primeira vez em uma vitória do piloto francês Alain Prost, no Rio, ela ganhou projeção, extravasou os limites da Fórmula-1, e nesta segunda-feira seu criador era mais um dos revoltados com a atitude da Ferrari e, em especial, com o piloto Rubens Barrichello. "Tenho muito orgulho da música e ela foi feita para quem vence honestamente. Não tinha que tocar mesmo", frisou Neto. "O trabalho dele (Barrichello) sujou o esporte de uma maneira geral e, em especial, o nome do Brasil." Segundo Neto, os brasileiros são reconhecidos no cenário internacional por sua obstinação pela vitória, garra, coragem e capacidade de superar dificuldades. Para o compositor, o episódio tirou a credibilidade da competição e fez de "palhaço" os espectadores, jornalistas e empresas responsáveis pelos patrocínios na F-1. "Ele tem todo o direito de assinar um contrato se submetendo às ordens da equipe e receber o dinheiro dele", considerou Neto. "Agora, se a Ferrari mandar bater em um carro adversário, ele vai fazer?" Apesar de criticar Barrichello, Neto reconheceu o talento do piloto brasileiro. Ele lembrou que a prova está no interesse da Ferrari em mantê-lo na equipe. Neto, de 51 anos, é um conhecido compositor da música popular brasileira (MPB) e já trabalhou com cantores como Djavan, Gal Costa, Marisa Monte e Rita Lee. Sua principal fonte de renda é a criação de jingles para comerciais ou programas de TV. Além do tema da vitória, outra composição de sucesso feita por ele foi o tema do festival "Rock in Rio". A pedido da TV Globo, Neto fez um novo "Tema da vitória", após a morte de Ayrton Senna, em 1994, mas ainda não foi executado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.