Crise financeira já prejudica a F1

A equipe Jordan anunciou nesta quarta-feira que seu novo carro, já em testes há duas semanas, será apresentado oficialmente dia 22 no aeroporto de Bruxelas, um dia antes do embarque dos equipamentos da Fórmula 1 para Melbourne, onde dia 3 será dada a largada para o Mundial. O fato não seria notícia se Eddie Jordan, sócio da escuderia, não tivesse estendido ao máximo o lançamento do modelo EJ12. E o motivo é simples: encontrar um patrocinador principal para a equipe. A F1 também vive o drama das dificuldades da economia mundial.A empresa de correios alemã Deutsche Post será o maior patrocinador da Jordan. O acordo foi estabelecido apenas nos últimos dias. O orçamento do time irlandês, com sede na Inglaterra, não está, contudo, completo ainda.A falta de investidores já fez com que a Prost Grand Prix abandonasse suas atividades e está afetando outras organizações, como a Jordan, que treinou até agora com o carro totalmente pintado de amarelo.O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, que afirmou nesta quarta-feira que "Michael Schumacher é melhor que Ayrton Senna", já estuda formas de baratear os custos da Fórmula 1. Em 2003 deverá haver, por exemplo, uma severa restrição no número de motores disponíveis no fim de semana de corrida.Ferrari - A equipe italiana mudou sua programação. Michael Schumacher voltou a treinar nesta quarta-feira em Fiorano. O teste em Mugello ficou para amanhã. O alemão completou 25 voltas, sendo a melhor em 59s253. O recorde da pista é de 58s378, estabelecido por ele mesmo na última terça-feira, também com o novo modelo F2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.