Cristiano larga na pole em Cleveland

O mineiro Cristiano da Matta tornou-se a principal estrela da F-Indy. Em sua quarta temporada na categoria, está mostrando que todos os que apostaram em seu sucesso tinham razão. Rápido, ousado e talentoso, somou a estas qualidades outra importante para quem quer vencer GPs: dificilmente comete um erro. A conseqüência é que passou a ganhar uma corrida atrás da outra - neste domingo, em Cleveland, larga na pole e pode obter a sexta vitória no ano, a oitava em 11 corridas e a quinta seguida, uma marca inédita na Indy - e, aos 29 anos, se considera pronto para dar o maior passo na carreira, que é transferir-se para a F-1. Chances, Cristiano tem. Já para 2003, na Toyota. Mas não pode se empolgar, pois conseguir um lugar na principal categoria do automobilismo depende de diversos fatores. O piloto mantém os pés no chão, até para não se decepcionar. "A ida de um piloto para a F-1 depende de muita coisa. Não é algo simples.? Uma convicção Cristiano tem: a F-1 não é o bicho-de-sete-cabeças que costumam pintar. "Olha, assisto a todas corridas e não vejo nenhum piloto fazer nada demais. Se estivesse lá, andaria do jeito que ando aqui (na Indy), desde que me dessem um bom equipamento. O Montoya (Juan Pablo, colombiano que trocou a Indy pela F-1), é um exemplo disso", analisa. Tal declaração pode dar a impressão de que o mineiro é uma pessoa presunçosa e arrogante. Quem conhece Cristiano, porém, sabe que não é nada disso. Ele apenas é franco. Diz o que pensa, mas pensa antes de falar. Essa franqueza, acredita o piloto, não o prejudicará no mundo da F-1. "Lá tem muito mais frescura do que aqui. Pode ser que no começo eu estranhe. O que acontece é que vários pilotos mal acabam de chegar na F-1 e já pensam que são estrela, se comportam como tal.?? Cristiano garante que no teste que fez em maio, pela Toyota, foi bem recebido por todos na equipe. A F-1 é um objetivo, não uma obsessão para Cristiano - recentemente apontado por Emerson Fittipaldi como o próximo brasileiro a ser campeão na categoria. Por isso, ele decidiu que só deixará a Indy se tiver condições de competir. "Do contrário, fico na Indy. Até porque para um piloto há duas coisas importantes: o prazer de correr e o de ser competitivo, se comparar com os adversários e superá-los. Se você corre numa Minardi, numa Arrows, com quem vai se comparar??? Apelidado de "The Dominator?? pelos americanos por estar dando as cartas na Indy com incrível facilidade, Cristiano faz seu segundo ano pela Newman-Haas, tem contrato até 2004 e garante estar bastante satisfeito. "Em relação ao ano passado, foram feitas algumas mudanças de pessoal. Estou com um novo engenheiro-chefe, uma pessoa arrojada, flexível. Isso se reflete nos resultados.?? Cristiano da Matta é o piloto a ser batido na Indy. Seus adversários passaram a admitir isso após suas sucessivas vitórias, em Laguna Seca, Portland, Chicago e Toronto. Hoje, em Cleveland, nona etapa da temporada, o objetivo dos outros 17 corredores é interromper a série de vitórias do piloto, líder da classificação com 120 pontos contra 70 do também mineiro Bruno Junqueira. Grid - A briga promete ser boa. No treino classificatório de hoje, Cristiano fez o melhor tempo, 57s040, garantindo sua quarta pole no ano. Na segunda colocação larga o canadense Patrick Carpentier, da Forsythe (57s470). David Franchitti (Green) ficou em terceiro e Christian Fittipaldi (Newman Haas), em quarto. Tony Kanaan (Mo Nunn) e Bruno Junqueira (Ganassi), sairão, respectivamente, na sexta e oitava posições. O GP de Cleveland, em 115 voltas pela pista do Burke Lakefront Airport, tem largada às 14h30, de Brasília. O DirecTv mostra ao vivo, pelo canal 363. A TV Record exibe videotape às 18 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.