Da Matta diz que se sentiu ?ridículo?

"Nunca me senti tão ridículo em toda minha vida." A frase do brasileiro Cristiano da Matta, que chegou em décimo (e último) lugar no GP Brasil, neste domingo, no autódromo de Interlagos, resumiu a frustração dos pilotos que correram em casa. Antônio Pizzonia, da Jaguar, teve um problema de aquaplanagem e saiu da prova na 24ª volta.Cristiano disse tal frase quando questionado sobre como se sentia neste início na categoria, já que veio da Cart com o título da categoria. "Estou frustrado por não conseguir meus resultados dentro de casa. Espero que na Europa as coisas melhorem." O fato de ser o único brasileiro que terminou a prova em casa não serviu de consolo para o piloto da Toyota, que ainda está tendo problemas com o carro: "Não estou satisfeito. A equipe está trabalhando bem, mas o que precisamos é achar uma solução para o problema que não sabemos qual é. O carro ainda deixou muito a desejar - parecia que estava a 20 quilômetros por hora." Estreante, Da Matta admite que deve enfrentar diversos problemas durante a temporada: "O GP de hoje mostrou que tem muito trabalho para fazer embora a equipe esteja indo bem por ser nova. Enquanto isso, vou continuar batendo cabeça." Antônio Pizzonia preferiu largar dos boxes. Da 19ª colocação, conseguiu chegar à sétima, e na 24ª volta teve um problema de aquaplanagem na curva do sol, no mesmo lugar onde outros cinco pilotos (Panis, Verstapen, Montoya, Schumacher e Button) rodaram e saíram da prova."Existe um tipo de rio ali naquela curva. Quando o safety car passava devagar e todos os carros passavam depois, o rio voltava a se formar. Me senti como um passageiro, não dava para fazer nada naquele momento da rodada. Só lamento porque estava num ritmo bom, planejava fazer só uma parada. Com essa estratégia, achava que dava até para pontuar", disse o amazonense.Cristiano Da Matta endossou o que disse Pizzonia: "Aquele defeito é inaceitável, se você não passa com o carro reto, aquaplana mesmo. Não tem nenhum segredo além deste." Pizzonia disse que procurou fazer uma corrida conservadora: "Sabia que muita gente ia bater. Eu estava tomando cuidado com isso porque sabia que seria possível pontuar desta maneira.Ganhei algumas posições e vi que o carro estava bem, estava tudo certo. Mas não deu, infelizmente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.