De la Rosa acha que F-1 pode ter mulheres competindo

Vitória de Danica Patrick na Fórmula Indy aumenta pressão da Fórmula 1 em abrir espaço para as mulheres

EFE

23 de abril de 2008 | 16h40

O espanhol Pedro de la Rosa, piloto de testes da McLaren, acha que falta pouco para que a Fórmula 1 volte a ter mulheres competindo."Acho que estamos perto de ver uma mulher na F-1, pois existem muitas kartistas. A base da pirâmide é cada vez mais larga e sempre haverá uma ou mais se destacando, como a Danica Patrick", disse o espanhol, ao ser perguntado sobre a vitória da americana na Fórmula Indy.De la Rosa reconheceu que o automobilismo pode ser mais difícil para as mulheres, mas acha que o talento delas pode superar as dificuldades. "Fiquei surpreso com a vitória de Danica em uma categoria tão difícil. Cedo ou tarde teremos uma mulher na F-1 e isso me agrada. É um esporte mais difícil para elas do que para os homens, até porque a questão do esforço físico pesa, mas as mulheres podem chegar à categoria pela qualidade", afirmou.Sobre as mudanças no regulamento da categoria para 2009, de la Rosa disse que os pilotos são contra o fim dos aquecedores de pneus. "Somos contra esta medida porque a Fórmula 1 será potencialmente mais perigosa. Quando os carros saírem dos boxes com pneu frios, a diferença de velocidade para os pilotos com compostos aquecidos vai  ser abismal. Ela pode chegar a quinze segundos na primeira volta e achamos que vai ser perigoso", disse o espanhol, que é presidente da Associação de Pilotos de Grandes Prêmios (GPDA, em inglês).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.