De luto, Maldonado promete honrar apoio de Chávez

Apenas alguns dias depois de assistir o funeral de Hugo Chávez, presidente da Venezuela e seu principal financiador, o piloto Pastor Maldonado, da Williams, se encontra no outro lado do mundo em preparação para a abertura da temporada 2013 da Fórmula 1, neste domingo, com a realização do GP da Austrália, no circuito de Melbourne.

AE-AP, Agência Estado

14 de março de 2013 | 12h09

Em luto pela morte do homem que o ajudou a entrar na Fórmula 1, Maldonado se disse determinado a seguir com os esforços de Chávez de tornar a Venezuela uma força do automobilismo mundial. "Ele era um grande defensor da Fórmula 1, apoiando não só a minha carreira, mas cerca de 50 pilotos em todo o mundo", disse.

"Estamos tentando fazer o nosso melhor para compensar a Venezuela com alguns bons resultados. É muito triste para todo o país, para mim também. Precisamos continuar trabalhando duro, especialmente para o país, que está tendo um grande momento em termos esportivos", completou Maldonado.

Chávez foi fundamental para Maldonado atingir a Fórmula 1, direcionando recursos da estatal venezuelana de petróleo PDVSA para patrocinar a Williams. Exceto pelos principais nomes da categoria, todo piloto precisa levar patrocinadores pessoais para as equipes.

A morte de Chávez levou a especulações de que o patrocínio da PDVSA seria encerrado, o que poderia atrapalhar a carreira de Maldonado, mas o venezuelano garantiu que o apoio financeiro vai continuar. "Muitos na mídia dizem que tudo acabou para mim, mas aqui estou eu", disse. "Começamos agora e precisamos continuar. Antes, as pessoas conheciam a Venezuela pelo petróleo e as mulheres. Agora isso mudou muito".

Enquanto Maldonado lamenta a morte Chávez, o restante da equipe Williams e muitos outras pessoas da Fórmula 1 também estão em luto pela morte na semana passada de Lady Virginia Williams, de 66 anos, mulher de Frank Williams.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.