Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

De volta a Mônaco, Alonso diz que prova pode ter sido 'a mais chata da história'

Piloto da McLaren abandona corrida a 26 voltas do final e cobra da Fórmula 1 alterações que deixem categoria mais emocionante

Estadão Conteúdo

27 de maio de 2018 | 16h06

Fernando Alonso disse que o GP de Mônaco realizado neste domingo pode ter sido "a corrida mais chata da história". O piloto do McLaren, que abandonou a prova a 26 voltas do final por causa de um problema no câmbio, cobrou da Fórmula 1 alterações que deixem a categoria mais emocionante.

+ Ricciardo supera problema no motor, segura Vettel e vence GP de Mônaco

+ Daniel Ricciardo comemora sua primeira vitória no GP de Mônaco: 'Redenção'

"Foi extremamente chato. Digo, é provável que tenha sido a corrida mais chata de todos os tempos. Sem safety car, sem bandeira amarela. O esporte precisa pensar no show porque foi muito desapontante. Provavelmente a corrida mais chata da história da Fórmula 1. Provavelmente temos de dar algo para os fãs no final da prova para recompensar um pouco pelo ingresso pago", disse o espanhol em entrevista ao site Autosport.

Foi o retorno de Fernando Alonso a Montecarlo após ausência por opção dele na edição de 2017. Em vez de participar do GP de Mônaco há um ano, o espanhol competiu pela equipe McLaren Honda Andretti nas 500 Milhas de Indianápolis, nos Estados Unidos, prova na qual ele liderou 27 voltas, mas abandonou a 21 do final. Apesar do resultado, foi eleito "Novato do Ano" pela organização da Fórmula Indy.

Fernando Alonso está em sétimo lugar no Mundial de Pilotos desta temporada, com 32 pontos. A McLaren trocou o fornecimento de motores Honda pelos da Renault em 2018 e apresenta melhora de desempenho em relação aos anos anteriores, mas ainda está distante dos carros de Mercedes, Ferrari e Red Bull.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1MclarenFernando Alonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.