Desolado, Rubinho credita fase a azar

Rubens Barrichello teve um Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 inesquecível, mas não da maneira que queria. Depois do carro quebrar antes da volta de apresentação, o piloto se envolveu em um acidente com Ralf Schumacher que tirou ambos da corrida. Segundo o comissário de pista que o trouxe de volta para os boxes, lágrimas de decepção corriam no rosto do piloto, completamente desolado por ver, mais uma vez, uma chance de vencer em Interlagos escapar."Você fica se perguntando porque essas coisas misteriosas na vida acontecem", desabafou Rubinho. "Você fica na pista até às 9 horas da noite para arrumar o carro, consegue acertar, depois você sai para o grid e o carro quebra", disse o piloto. "É uma facada nas costas." Depois da quebra, Rubinho enfrentou uma maratona para chegar a tempo de pegar o carro reserva. O piloto elogiou o esforço e a perícia do piloto da van que o transportou da Reta Oposta até os boxes e também o trabalho e sua equipe, que fez o possível para acertar o carro reserva, que estava preparado para Michael Schumacher. Rubinho diz que naquele momento chegou a pensar que o caso era uma ajuda divina, uma vez que o problema poderia ter ocorrido depois da largada, o que seria decepção."Mas depois aconteceu o acidente. Não sei porque tanta falta de sorte", lamentou.Sobre o acidente com Ralf Schumacher, Rubinho não acredita que o alemão tenha feito a manobra de propósito. "Foi semelhante ao acidente no qual ele se envolveu com o Frentzen (na verdade foi com Jacques Villeneuve, da BAR) na Austrália", afirmou o brasileiro. Segundo ele, Ralf foi da direita para esquerda, depois voltou para a direita e freou de maneira totalmente inesperada. "Não quero fazer uma crítica direta, mas acho que é o caso de se pensar qual o ponto exato de se fazer as coisas", disse. "Ele vai de um lado para outro sem pensar em quem está atrás, só vê o que está à frente." O comentário de Rubinho, foi o mesmo de Villeneuve, que, após a corrida da Austrália afirmou que não entendia porque o piloto havia freado tão antes do tempo." Sobre as declarações de Ralf de que deveria desistir de tentar ser mais rápido do que Michael Schumacher, o brasileiro preferiu não alimentar polêmica. "Nem vou comentar o que esse cara diz." Rubinho estava animado antes da corrida. Ao falar com torcedores, afirmou que havia conseguido acertar o carro e que, se os pneus correspondessem sob o forte calor aquele poderia ser seu dia. "Estava calmo, com toda a estrátégia programada e mesmo o carro reserva estava indo bem", aafirmou Rubinho. "Realmente o negócio é tocar bola para frente." SOFRIMENTO - O sofrimento pelo resultado não afetou somente Rubinho. Sua família, que acompanhou a corrida dos boxes não pôde esconder a desolação com o resultado do brasileiro. O pai e a mãe do piloto evitaram o quanto puderam dar qualquer declaração depois da corrida, mas, quando saíam do paddock era possível ver os olhos vermelhos de Rubão. A mulher de Rubinho, Silvana, também ficou bastante abatida, porém quando o piloto retornou aos boxes ela se esforçou para demonstrar mais calma e diminuir o sofrimento do marido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.