Despedidas marcam GP dos EUA

A etapa de Indianápolis registra alguns números históricos para importantes personagens da Fórmula 1 e a despedida de outros, como o lendário locutor Murray Walker, 78 anos, desde 1949 trabalhando no automobilismo. Walker transmitiu sua primeira corrida de automóveis em 1949, para a BBC, em Silverstone. Como a Fórmula 1 começou a ser disputada em 1950, ele é uma lenda viva da competição. Hoje, aos 78 anos, ele ainda é o "locutor dos ingleses", como é chamado. Sua lucidez é tamanha que responde pela transmissão do Mundial para a ITV, a rede de TV digital de Bernie Ecclestone. "Ainda não estou consciente de que esta é a minha última prova. Não a sinto assim", afirmou.Outro que abandona a Fórmula 1 e com muita história para contar é Jo Ramirez, mexicano, coordenador da McLaren. "Tenho uma casa na Espanha, na praia, e finalmente poderei agora aproveitá-la." Sua trajetória no Mundial começou com Ricardo Rodriguez, em 1962. O GP dos EUA é para Jean Alesi, hoje na Jordan, a sua corrida de número 200. "Se as pessoas soubessem a vontade que eu tenho ainda de acelerar não me perguntariam até quando vou correr?" Gerhard Berger, seu grande amigo, o define assim: "A pessoa mais imprevisível que conheci."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.