estadão.com.br

27 de março de 2010 | 03h44

Srdjan Suki/EFE

Lucas Di Grassi contorna curva durante o treino deste sábado, com seu Virgin

SÃO PAULO - Largar na 22.ª e antepenúltima posição do grid de largada para o GP da Austrália de Fórmula 1 é motivo de lamentação para o brasileiro Lucas Di Grassi e a Virgin. Ele admite que o mau desempenho no treino que definiu as posições em Melbourne, neste sábado, foram motivadas por excesso de confiança após os treinos livres.

Veja também:

linkVettel é pole na Austrália, em dobradinha da Red Bull

"A gente errou o setup [configuração eletrônica] do carro, fomos otimistas demais. A gente tem que melhorar muito para começar a pensar em qualquer disputa, o foco é melhorar o carro", diz, em entrevista à TV Globo, após sua eliminação na primeira fase.

O único elogio que o brasileiro faz é sobre a pista australiana, onde corre pela primeira vez. Mas não é completa: "Gostei [da pista], é mais rápida do que parece, só que tem mais bumping [ondulações] do que parece. Do meu lado, porém, minha cabeça é que temos que trabalhar para melhorar o carro."

Se não tiver mais problemas, ele estará alinhado para a largada das 58 voltas da corrida neste domingo, às 3 horas (de Brasília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.