Di Grassi destaca 'aprendizado' em 1.º ano na F-1

Um dos estreantes da Fórmula 1 em 2010, o brasileiro Lucas Di Grassi fechou a temporada feliz com o que considerou um "aprendizado" para o início de sua carreira na categoria. Para ele, o ano foi positivo também pelo fato de que conseguiu obter um desempenho melhor do que o do seu companheiro de equipe, o alemão Timo Glock, na somatória dos resultados de todas as corridas.

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2010 | 18h33

Veja também:

link Vettel é o novo campeão da Fórmula 1

"Foi uma grande escola, sem dúvida. Meus anos como piloto de testes da Renault me deram uma grande base técnica. E nesta temporada, minha primeira como piloto titular, eu aprendi imensamente mais: como trabalhar com os pneus, estratégia de corrida, tempo de pista... Foi realmente um ano incrível", ressaltou Di Grassi, que teve como melhores resultados no ano o 14.º lugar no GP da Malásia e o 15.º em Cingapura.

Di Grassi lembrou também que foi importante ter iniciado sua trajetória na F-1 em uma escuderia que debutou este ano na categoria. "Pelo fato de a equipe também ser estreante, todos nós sabíamos que teríamos uma temporada muito difícil. Mas tenho certeza que aprendi realmente muito neste meu primeiro ano. Mais do que se eu estivesse, por exemplo, em uma equipe já estabelecida. Certamente, eu teria tido melhores resultados, mas o aprendizado não teria sido o mesmo", analisou.

O brasileiro também projetou o seu futuro, no qual ele ainda não sabe se seguirá pilotando pela Virgin. "Estamos conversando. O fato de uma parte das ações da equipe ter sido comprada vai trazer mais dinheiro dentro do time, o que vai ser benéfico em termos de desenvolvimento do carro. Isso vai ser fundamental para um salto de qualidade em 2011", disse Di Grassi, lembrando que montadora russa Marussia agora detém a maior parte das ações da equipe.

Já ao falar sobre o título de Sebastian Vettel, Di Grassi ressaltou que o alemão mereceu ser campeão. "A Red Bull fez o melhor carro da temporada, e o Vettel se mostrou o piloto mais rápido do ano, tendo feito dez poles em 19 corridas. Então, por tudo que ele e a equipe fizeram, o título foi merecido", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.