Instagram/Rubens Barrichello
Instagram/Rubens Barrichello

Dinastia nas pistas: Rubens Barrichello prepara os filhos como sucessores

Piloto da Stock Car comanda e organiza as carreiras de Eduardo e Fernando, que já começam a se destacar

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2019 | 04h30

Depois de famílias como Fittipaldi, Piquet e Senna estabelecerem dinastias no automobilismo, agora é a vez do clã Barrichello passar a ter novas gerações nas pistas. Aos 46 anos, Rubens Barrichello se divide neste domingo entre a etapa de Campo Grande da Stock Car e a comemoração do Dia dos Pais com os filhos Eduardo, de 17 anos, e Fernando, de 13, dois aprendizes de piloto.

Dudu e Fefo, como são carinhosamente chamados, recebem grande atenção do pai neste início de carreira. Rubinho se mudou anos atrás para os Estados Unidos e participa ativamente da carreira dos meninos. O experiente piloto, de 19 temporadas na Fórmula 1, se encarrega de negociar contratos, acompanhar corridas, orientar sobre decisões e torcer. Em algumas ocasiões, não se conteve e quis correr junto com os filhos. No fim de junho, por exemplo, Rubinho e Eduardo foram parceiros em uma prova, válida pela categoria Sprint Race, em Homestead, na Flórida. O paizão ficou eufórico pela oportunidade. 

"Os meninos assistem corrida desde muito cedo, então é fácil falar que está no sangue. Meu intuito foi sempre o de colocá-los no rumo do esporte e não especificamente no meu rumo, o automobilismo. Os dois amam velocidade e são bons os danados", disse ao Estado o piloto da equipe Full Time Sports.

O filho mais velho de Barrichello, Eduardo, entrou neste ano na USF2000, categoria americana voltada a revelar pilotos para a Fórmula Indy. Recentemente, ele trocou de equipe após conseguir bons resultados. "Ele tem um talento natural e muito bem desenvolvido também pela sua família. O Eduardo teve uma carreira de sucesso no kart. Acho que o crescimento dele será apenas questão de tempo", afirmou o novo chefe de Dudu, David Martinez.

Rubinho tem plano ambiciosos para o primogênito. Nos próximos anos, quer levar o garoto para correr na Europeu, trilha mais propícia para chegar à Fórmula 1. Para isso se concretizar, os dois buscam patrocínio. Já o filho caçula começou no kart anos atrás e agora concilia a dedicação ao automobilismo com o prazer de jogar futebol.

Acostumados a ver corridas desde pequenos, os dois também frequentam autódromos há tempos. Rubinho chegou a subir com os filhos no pódios após vitórias na Stock Car, para fazê-los sentir a emoção e o carinho do público. Os domingos do clã Barrichello são quase sempre na pista: seja pelos compromissos do pai ou pelas corridas de algum dos meninos, com todos presentes nos boxes.

O desafio do pai é conter a emoção de ver os garotos em ação e não se envolver de forma excessiva com a carreira deles. "É importante este distanciamento. Eu passo minha ideia e o que acho que precisa ser feito, mas não posso ir na academia fazer por eles. O exemplo eles têm dentro de casa", explicou.

Ainda assim, Rubinho sempre passa aos filhos algumas orientações. "Eu bato na tecla do sono. O cara precisa estar descansado para trabalhar a 100%", diz. Quando se trata de dicas na parte técnica, ele frisa o cuidado com o acerto dos carros, fundamento em que o experiente piloto de Jordan, Ferrari, Williams, e outras mais, sempre trabalhou bem ao longo da carreira. Em várias ocasiões ele até se propôs a dar umas voltas com o kart dos meninos para verificar como poderia ser corrigido um problema mecânico.

O amor ao kart e aos filhos ajudou Rubinho a superar um grave problema de saúde ano passado. O ex-piloto da Ferrari teve um princípio de acidente vascular cerebral (AVC) e ficou internado por cerca de duas semanas nos EUA. O retorno às pistas foi em um teste no kart, quando ele se sentiu recuperado para voltar às atividades. Eduardo e Fernando passaram dias no hospital juntos com o pai e acompanharam todo o processo.

Conhecido pelo estilo emotivo, de choro fácil, o pai garante não ser exigente. "O amor pelo que faz é o mais importante. O resto vem. Porque na hora da dificuldade só o amor vence".  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.