Diniz: o futuro da Prost é sombrio

O ex-piloto Pedro Paulo Diniz afirmou nesta quarta-feira, em São Paulo, que o futuro da equipe Prost Grand Prix é "sombrio" e que só um "milagre" permitirá sua sobrevivência. Ele confirmou que, apesar de ainda possuir 40% da organização, não planeja mais torna-se o seu proprietário, como era o objetivo quando adquiriu de Alain Prost sua participação acionária. "Não quero entrar em detalhes, mas não concordei com a estratégia técnica e financeira adotada pela equipe e a deixei." O motor escolhido e a forma como a equipe planejou compor o seu orçamento para 2002 foram decisivos para Diniz rever seus interesses. Já no GP dos Estados Unidos comentava-se no paddock que a Asiatech teria oferecido à Prost o seu motor de graça, como acabou fazendo com a Minardi, e até dava uma quantia em dinheiro, cerca de US$ 10 milhões, para auxiliar o time. Alain Prost, contudo, apesar das dívidas pesadas que tem, não inferiores a US$ 20 milhões, disse não à Asiatech.Para complicar, competir com o motor Ferrari em 2002 exigirá de Prost o desembolso de US$ 25 milhões, que ele não tem idéia de onde irá tirar. Diniz não quis comentar a informação. "Alain Prost é o sócio majoritário, a responsabilidade é dele", limitou-se a dizer.Diante dos graves problemas financeiros atuais e da falta de perspectiva de reunir novos investidores, a possibilidade de a Prost não disputar o Mundial de Fórmula 1 que começa dia 3 de março, em Melbourne, é enorme."Tomara que tudo se resolva, mas o futuro da equipe foi bastante afetado por essas decisões que não concordei", falou Diniz. Aventou-se inúmeras vezes a existência de um milionário da Arábia Saudita disposto a sanear a Prost Grand Prix e tornar-se seu sócio. "Essa história é velha", afirmou o ex-piloto brasileiro, dando a entender que se tivesse de dar certo já teria havido algum desdobramento. Por conta dessas visões tão distintas sobre como conduzir a equipe, Diniz disse que hoje quase não tem mais nenhuma relação com Alain Prost. "Acredito que até dezembro teremos uma definição quanto ao futuro do time." Mas Diniz não deverá permanecer longe das pistas. "Estou planejando investir no automobilismo brasileiro e quem sabe até no exterior." Há rumores de que ele estaria criando no País uma categoria-escola nos moldes do que melhor existe na Europa e que em breve poderá ser anunciada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.