Diniz se exime de culpa no caso Prost

O ex-piloto e sócio de Prost, Pedro Paulo Diniz, afirmou que não tem "nada a ver" com a falência do time. "Eu fui apenas um investidor." No início do ano passado, o brasileiro injetou, segundo se comentou, US$ 26 milhões na Prost, a fim de viabilizar sua participação no Mundial e tornar-se sócio do projeto.A pergunta que está no ar agora é: Diniz terá, como Prost, de pagar a conta em aberto? "Não", afirmou o atual promotor da Fórmula Renault no Brasil. "Quando investi na Prost procurei garantias jurídicas de que se algo desse tipo ocorresse com o projeto eu estaria fora das responsabilidades", declarou logo depois do anúncio da intervenção da Justiça francesa na escuderia.

Agencia Estado,

28 de janeiro de 2002 | 19h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.