Quique Garcia/AFP
Quique Garcia/AFP

Diretor geral da Ferrari provoca e ironiza restrições na F-1

Comentários foram sobre possíveis proibições aos padocks

Reuters

01 Março 2015 | 12h32

O diretor geral da Ferrari, Maurizio Arrivabene, adotou uma postura provocativa, antes mesmo da temporada da Fórmula 1 começar, em resposta aos rumores sobre uma restrição nos acessos dos times aos paddocks nesta temporada.  

Arrivabene, ex-diretor de marketing que assumiu como diretor geral em novembro, sentou com o piloto reserva da Ferrari, o mexicano Esteban Gutierrez, e o diretor esportivo Massimo Rivola em meio aos espectadores durante sessão de testes em Barcelona. "Eu ouvi que na Austrália teremos mais restrições em termos de acessos e acho que isso é inaceitável", ele falou aos jornalistas neste domingo, dia final de testes antes do início da temporada no dia 15 de março em Melbourne.

"Então disse aos rapazes: 'Ok, se nós vamos ter uma situação na qual o paddock estará vazio, é melhor começar a treinar para ficar ao lado das pessoas e sentar com elas nas arquibancadas.Eu devo dizer que foi uma ótima experiência porque as pessoas foram muito bem educadas. Estávamos com nossos fones de ouvido acompanhando o treino. E elas foram respeitosas, pedindo por fotos. Foi uma boa experiência e espero que tenham outras como essa.", afirmou o diretor.

O paddock, onde as equipes mantêm suas generosas unidades de hospitalidade e os engenheiros se debruçam sobre os dados e informações de prova enquanto os jornalistas dividem espaço com mecânicos e VIPs, é o santuário mais bem guardado do esporte. O acesso ao local é feito de forma eletrônica, após autorização do chefão da Fórmula Um, Bernie Ecclestone. "Foi uma forma de provocação, mas eu realmente gosto desse tipo de coisa", disse Arrivabene. "Eu disse que precisamos levar a Fórmula 1 para mais perto das pessoas. Estamos sentados aqui no meio delas. E eu não gosto de ver agora e no futuro os paddocks vazios, não é o jeito certo", disse Arrivabene.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula 1 Ferrari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.