Dirigentes da Ferrari se defendem

A direção da Ferrari foi econômica ao comentar a decisão de ordenar que Rubens Barrichello deixasse Michael Schumacher vencer o GP da Áustria de Fórmula 1, neste domingo. O diretor-esportivo da equipe italiana, Jean Todt, argumentou: "Perdemos por três anos seguidos (1997, 1998 e 1999) o Mundial de Pilotos na última corrida, mas nem todos se lembram. Por essa razão, e por conhecer a força de nossos adversários, devemos somar sempre o máximo de pontos possíveis em qualquer circunstância." Já o diretor-técnico Ross Brawn foi mais objetivo ainda: "Nós controlamos a corrida, os pilotos e decidimos o que eles devem fazer para o bem da equipe."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.