Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

Dirigentes da Toro Rosso e da Renault discutem em Interlagos

Desentendimento se arrasta há algumas semanas e tem como motivo a insatisfação pelo rendimento do motor

Ciro Campos, Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2017 | 13h58

O clima esquentou no paddock de Interlagos neste sábado, em meio ao GP do Brasil. Dirigentes das equipes Toro Rosso e Renault tiveram uma áspera discussão no autódromo de São Paulo nesta manhã por conta dos recentes problemas enfrentados pela primeira. A Renault, além de equipe na disputa do Mundial de Fórmula 1, fornece motores para outros times, como a Toro Rosso.

+ Hamilton lamenta assalto em Interlagos: 'Acontece todo ano'

+ Mudança de regulamento da Fórmula 1 vira polêmica

A discussão teve início quando Cyril Abiteboul, diretor esportivo da Renault, foi tirar satisfações com Helmut Marko, consultor da Toro Rosso e da Red Bull. Com dedo em riste, o dirigente da fabricante francesa cobrou Marko por conta da nota publicada pela equipe italiana, no início deste sábado, na qual a Toro Rosso sugere que a Renault estaria fornecendo motores com problemas por conta da disputa do Mundial de Construtores.

No momento, a Toro Rosso está à frente da rival na disputa. É o sexto colocado, com 53 pontos, contra 48 da Renault. Cada posição no campeonato é importante porque vale polpuda premiação em dinheiro ao fim da temporada. Assim, a disputa de construtores é determinante para a sobrevivência dos times menores na F-1.

A confusão teve início na sexta-feira, quando Abiteboul criticou a Toro Rosso por supostamente estar administrando mal os motores que fornece. Nas últimas corridas, a equipe italiana teve seguidos problemas em seus carros. No Brasil, o piloto neozelandês Brendon Hartley abandonou o primeiro treino livre logo no começo devido a fumaça em seu motor.

As críticas geraram rápida reação da Toro Rosso. No começo deste sábado, a equipe rebateu com a nota em que sugere a sabotagem dos motores. “É uma grande surpresa para a equipe que Cyril Abiteboul tenha sugerido que os problemas sofridos pela Toro Rosso com as unidades de potência são primariamente causados pela equipe e pela forma como são operados nos chassis”, disse a equipe.

"Gostaríamos de esclarecer que todo o MGU-H e falhas no câmbio que a Toro Rosso sofreu recentemente não são ligadas a como o time está operando ou em como a unidade é integrada ao chassi. Nada mudou ou foi alterado nessa instalação durante a temporada 2017 a não ser as melhoras no esfriamento do motor. Desde o recesso de verão, a Toro Rosso vem sofrendo falhas contínuas ligadas à unidade de potência, o que resultam em punições que custaram pontos e posições no Mundial de Construtores", completou a equipe.

Foi a sugestão de sabotagem que levou Abiteboul a discutir asperamente com Marko em Interlagos. A discussão pode ter marcado o fim precoce da parceria entre Renault e Toro Rosso. As duas equipes tinham acordo de fornecimento de motor somente até o fim desta temporada – o time italiano já anunciou que terá a Honda como parceria para 2018.

Até este atrito, os dois times tinham ótimo relacionamento. Tanto que a Toro Rosso liberara de forma antecipada o piloto espanhol Carlos Sainz Jr para se juntar à Renault ainda neste ano, já no GP dos Estados Unidos, no fim de outubro. Geralmente, as equipes esperam pelo fim do campeonato para fazer as trocas de pilotos.

Mas o bate-boca deste sábado acabou com o clima bom entre as duas equipes. A Renault poderia até encerrar o fornecimento de forma precoce depois do GP do Brasil. Neste caso, a Toro Rosso teria que usar motores mais antigos para competir em Abu Dabi, no dia 26, na última etapa do campeonato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.