Dois alemães no trânsito de São Paulo

Quem vive ou visita São Paulo sabe que dirigir na cidade não é uma tarefa fácil. Nesta quarta-feira, os pilotos alemães da Sauber, Heinz-Harald Frentzen e Nick Heidfeld comprovaram esta realidade ao conduzir carros nacionais básicos pela zona sul da capital em direção a Embu, onde fizeram uma visita à Casa Alegria e Esperança, que atende 29 meninas carentes. Depois de alguns ?soquinhos? na saída com seu Gol 1.0, Frentzen se acostumou ao veículo e conheceu situações típicas paulistanas, como os vendedores ambulantes que trabalham nos semáforos e as dificuldades de ultrapassagem nas ruas da cidade. Na Rodovia Raposo Tavares, se mostrou muito mais à vontade e chegou a ter oportunidade de mostrar arrojo nas curvas. ?Acho que a forma como o brasileiro pilota nas ruas facilita a adaptação às corridas porque é preciso prestar atenção no que os outros motoristas fazem?, concluiu Frentzen, que se espantou com a grande quantidade de motos nas ruas. ?Aqui é diferente da Alemanha, onde as pessoas estão mais acostumadas a andar em sua faixa, no limite de velocidade, e você não precisa se preocupar muito com os outros.? Heidfeld, que nesta quarta-feira dirigiu um Palio, já viveu outras aventuras. Na última visita à Casa, há dois anos, teve de driblar os alagamentos da Raposo para voltar ao hotel e comprovou que realmente não é fácil pilotar em São Paulo. ?A condição das ruas não é das melhores, mas não cria problemas. Acho que a maior dificuldade na hora de dirigir é o grande número de carros na cidade.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.