Domenicali cobra uma 'reação imediata' da Ferrari

O desempenho nas duas primeiras etapas do Mundial de Fórmula 1 deixou a Ferrari preocupada. A equipe ainda não conseguiu subir ao pódio e parece longe de ameaçar a supremacia da Red Bull, que venceu ambas as provas com o alemão Sebastian Vettel. Este cenário fez com que o diretor esportivo da escuderia italiana, Stefano Domenicali, cobrasse uma "reação imediata".

AE, Agência Estado

13 de abril de 2011 | 13h45

"É vital para nós que tenhamos uma reação imediata, porque temos visto quão rápido as coisas podem mudar na Fórmula 1. Precisamos nos esforçar para evoluir nosso pacote de aerodinâmica, que é a chave para tudo", afirmou Domenicali, já projetando a performance da Ferrari no GP da China, cujos treinos livres começam na noite desta quinta-feira (horário de Brasília).

Os resultados na Austrália e na Malásia deixaram os pilotos da Ferrari em má posição no campeonato. O espanhol Fernando Alonso é o quinto colocado, com 20 pontos, e Massa está em sexto, com 16. Um novo fracasso na China poderá distanciar ainda mais os dois de Vettel, que lidera com 50 pontos.

"Tentaremos trazer essas mudanças o mais rapidamente possível, talvez na China, porque precisamos. Precisamos entender porque o desempenho na pista não está equiparado com o que tínhamos nos túneis de vento. Se não tivermos isso claro, precisaremos mudar a direção do trabalho que estamos fazendo em termos de desenvolvimento", analisou o dirigente da Ferrari.

Apesar do fraco desempenho da Ferrari nas provas, a maior preocupação de Domenicali é com os treinos de classificação. Na Austrália, Alonso foi o quinto no grid e Massa, o oitavo. E na Malásia, o espanhol repetiu a quinta colocação, enquanto o brasileiro foi o sétimo.

"O principal problema com o qual estamos tendo que lidar é nossa performance no dia antes da corrida, no treino qualificatório, no qual não estamos no mesmo nível das equipes que hoje são as melhores", concluiu Domenicali.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.