Ciro Campos/Estadão
Ciro Campos/Estadão

Doria anuncia que terá reunião em dezembro para tentar renovar contrato com a Fórmula 1

Governador de São Paulo garante que cidade está com conversas avançadas para manter a realização do GP a partir de 2021

Ciro Campos, Felipe Rosa Mendes, O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2019 | 12h58

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou neste domingo, momentos antes da largada do GP do Brasil, que terá nova reunião com a Liberty Media, em São Paulo, no início de dezembro, com o objetivo de renovar o contrato da capital paulista com a Fórmula 1. A meta é estender o vínculo por dez anos, entre 2021 e 2030. 

Na entrevista coletiva concedida no autódromo de Interlagos, em São Paulo, Doria esteve ao lado do norte-americano Chase Carey, atual chefão da F-1, do ex-piloto escocês Jackie Stewart, do promotor do GP brasileiro, Tamas Rohonyi, e de secretários estaduais e municipais, que representaram o prefeito Bruno Covas.

"Na primeira semana de dezembro, nós vamos nos reunir com a Liberty Media e com o Chase Carey para discutir o novo contrato", disse Doria, que fez o anúncio momentos antes do americano entrar na sala para participar da mesma coletiva. "No que depender de nós, a F-1 vai permanecer em São Paulo por mais dez anos."

O governador garantiu que São Paulo tem proposta para oferecer à Liberty Media, porém não apontou detalhes. O GP do Brasil não pagou nos últimos anos a chamada “promoter fee”, taxa cobrada pela F-1 para que uma cidade possa sediar a corrida. Neste domingo, o Estado revelou que São Paulo tenta reunir US$ 20 milhões (cerca de R$ 84 milhões) por ano para oferecer aos novos donos da categoria.  

Doria espera buscar financiamento na iniciativa privada, junto com o prefeito Bruno Covas, para chegar ao valor. "Vamos liderar este processo para buscar o 'funding' no setor privado", disse Doria, que se mostrou otimista na negociação. Ele disse que um acerto seria possível ainda neste ano. A F-1, contudo, tem como prazo final o mês de agosto de 2020.

"Estávamos até agora preocupados em fechar o calendário de 2020. Agora vamos pensar em 2021", disse Carey, que reiterou a importância do Brasil para a F-1. "Não podemos falar sobre as negociações no momento, são informações confidenciais. Vamos comunicar os anúncios quando chegarmos a um acordo. O que temos que fazer agora é termos discussões privadas com nossos parceiros. Com certeza nosso objetivo é continuar aqui no Brasil por muito tempo."

Carey garantiu também que segue em negociação com o Rio de Janeiro, que tenta retomar a categoria. A iniciativa carioca é liderada pelo consórcio Rio Motorsports, que venceu licitação para construir um novo circuito na cidade, no bairro de Deodoro.  

O chefão da F-1 disse ainda que as negociações levarão em conta em outros aspectos além do pagamento da "promoter fee". Porém, também evitou detalhes. A cidade de São Paulo, nesta disputa com o Rio, aposta no seu potencial de negócios e na importância do local para as diferentes empresas envolvida na categoria, como patrocinadores e montadoras e fornecedoras de motor no campeonato.

Na mesma coletiva, Doria e secretários municipais fizeram questão de destacar a segurança do GP. E citaram números e taxas de homicídio, em comparações com o Rio. “O grau de segurança, o tamanho turístico e a tradição confirmam esse entendimento e os investimentos feitos na cidade”, disse Vinicius Lummertz, secretário estadual de Turismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.