Duelo entre Kanaan e Helinho na Indy

O brasileiro Tony Kanaan finalmente teve um dia de sorte na temporada 2001 da F-Indy. Neste sábado, ele obteve a pole position para o GP de Chicago, que será disputado às 17 horas (de Brasília) de domingo, num treino oficial em que só não perdeu a posição porque Hélio Castro Neves, o antepenúltimo a ir à pista, ficou sem gasolina na sua volta mais rápida. Com isso, Helinho teve de se conformar com a segunda posição no grid, que terá uma primeira fila brasileira.A corrida, 11ª etapa da temporada, terá 225 voltas pelo oval de 1.029 milha (1,655 quilômetro) do Chicago Motor Speedway. A TV Record e a DirecTV, canal 363, anunciam transmissão ao vivo. A segunda fila será formada pelo mexicano Adrian Fernandez (Fernandez Racing) e pelo norte-americano Memo Gidley (Chip Ganassi). O sueco Kenny Brack sai apenas em oitavo. Ele lidera o campeonato com 84 pontos, contra 81 do escocês Dario Franchitti (Green), 75 de Helinho e 73 de Michael Andretti (Green/Motorola).Tony foi o 13º piloto a ir à pista no treino de classificação - nos ovais, a tomada de tempos é feita individualmente -, apesar de estar relacionado como número 12A, pois no automobilismo a superstição tem forte presença. E deu sorte: fez o tempo de 23s145 (média de 257,571 km/h), garantindo a pole provisória. Menos de cinco minutos depois, começou uma chuva fina e o treino ficou interrompido por 45 minutos. Quando recomeçou, a maioria dos pilotos que foi à pista reclamou da falta de aderência.Helinho teve outro motivo para reclamar: na sua segunda volta rápida, em que provavelmente tiraria a pole do amigo, seu carro ficou sem combustível. Por isso, valeu seu tempo da primeira volta rápida (23s148, média de 257,538 km/h), o segundo no grid.Tristeza de Helinho, alegria de Tony. "Até que enfim eu consigo largar na frente´´, disse o piloto da Mo Nunn, que deu a primeira pole position à equipe (fundada há um ano e meio) e conseguiu a sua segunda na Indy - a primeira foi pela Tasman, em 1999.Kanaan estava particularmente feliz por ter conseguido cumprir uma promessa que fez a seu engenheiro, Eric Coldwin, após o treino livre da manhã deste sábado, quando fez o 5º tempo, com 23s309. "Prometi tirar um décimo de segundo à tarde e tirei um 1,5 décimo.´´ Para o piloto brasileiro, agora, só falta o carro ser consistente na corrida, algo que não aconteceu nos últimos GPs. "A equipe só precisa ir bem na corrida. Largar na frente aqui é importante, porque há tráfego. Mas sabendo aproveitar as bandeiras amarelas e economizando combustível, dá para sonhar alto´´, disse ele.Hélio Castro Neves saiu do treino boquiaberto. "Cara, não acredito. Acabou a gasolina (a Indy usa metanol) na minha volta mais rápida. Sem tirar o mérito do Tony, eu iria fazer a pole´´, garantiu o piloto da Penske. "Mas tudo bem, agora vamos para a corrida.´´No passado, Helinho e Tony fizeram grandes disputas nas pistas, em outras categorias e prometem se respeitar na largada deste domingo. "Um conhece o outro e sabe bem o estilo de pilotagem. Acho que vamos passar bem a primeira curva´´, entende Tony.Roberto Moreno, da Patrick, também ficou feliz com o seu sétimo tempo (23s327). "Nesta temporada, é a prova em oval em que temos mais chances´´, disse. Bruno Junqueira, 11º no grid (23s458) e que quase bateu na curva 4 em sua volta rápida, desta vez desapontou o patrão Chip Ganassi. "Largar na frente era importante aqui´´, admitiu o brasileiro.Gil de Ferran, da Penske, larga em 12º (23s458) e Maurício Gugelmin, da PacWest, em 13º (23s459). Mal mesmo estão os carros da Newman-Haas. Cristiano da Matta é o 20º (23s592) e Christian Fittipaldi, que se disse confuso com o rendimento do carro no treino, é o 24º e penúltimo. "O negócio aqui é dar uma enganada, tentar fazer ponto e partir para a próxima´´, reconheceu Da Matta.Max Wilson não corre em Chicago porque sua equipe, a Arciero, não consertou a tempo os dois carros que ele bateu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.