Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

'É frustrante perder vitória por meio de um retardatário', diz chefe da Red Bull

Christian Horner detona incidente com Esteban Ocon, que tirou a liderança de Verstappen e abriu caminho para o triunfo de Hamilton

Catharina Obeid, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2018 | 21h00

"Nós tínhamos feito tudo certo, tínhamos a Mercedes encurralada, passamos pela Ferrari. Extremamente frustrante para todos perder uma vitória por meio de um retardatário", afirmou Christian Horner, chefe da Red Bull em entrevista após o GP do Brasil de Fórmula 1 ao comentar o incidente com Esteban Ocon, que tirou a liderança de Max Verstappen e abriu caminho para a vitória de Lewis Hamilton neste domingo.

A equipe esteve na liderança em boa parte da prova em São Paulo devido à estratégia e ao bom rendimento do holandês de 21 anos, um dos destaques da corrida na qual terminou apenas atrás de Lewis Hamilton, da Mercedes. "O carro estava trabalhando brilhantemente hoje. A equipe também me deu a estratégia certa, nós estávamos indo muito bem com o pneu supermacio, então fizemos um longo período", analisou Verstappen.

Apesar de estar satisfeito com o desempenho de seu carro, o piloto reivindicou o resultado final da corrida. "Estou feliz com o segundo lugar, mas deveríamos ter vencido hoje", ponderou o piloto, que afirma ter perdido pressão aerodinâmica pela batida com o rival da Force India. Mas não foi só Verstappen que deu uma boa colocação à equipe austríaca. Daniel Ricciardo também ficou fora do pódio por muito pouco.

O piloto australiano largou em 11º lugar e terminou em quarto, a menos de meio segundo de Kimi Raikkonen. Apesar de ter sido penalizado com a perda de cinco posições na largada deste domingo por conta de uma troca do turbocompressor, Ricciardo conseguiu ficar à frente de Valtteri Bottas, da Mercedes, e do alemão Sebastian Vettel, da Ferrari.

"Eu sinto que toda vez que começamos na parte de trás, temos um carro rápido. Então é apenas um pouco de frustração acumulada, mas a corrida foi divertida", analisou o piloto de 29 anos. "Eles [Red Bull] me colocaram de lado no começo e me deixaram atacar no final, mas eu não estou bravo com ninguém, só estou chateado porque acabamos perdendo o pódio quando definitivamente tínhamos um carro rápido o suficiente", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.