Tim Chong/Reuters
Tim Chong/Reuters

Ecclestone e FIA minimizam contestação da Ferrari sobre ultrapassagem de Vettel

Manobra do alemão poderia tirar seu título mundial

AE, Agência Estado

29 de novembro de 2012 | 16h46

LONDRES - A contestação da Ferrari, em relação à suposta ultrapassagem irregular de Sebastian Vettel no GP do Brasil, teve pouca receptividade junto à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e junto ao detentor dos direitos da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, nesta quinta-feira.

Ecclestone criticou a postura da Ferrari, que pediu um esclarecimento formal à FIA, e chamou o episódio polêmico de "piada". "É uma pena porque tudo estava indo muito bem. Foi uma super corrida, um super campeonato. Agora todo mundo está falando sobre isso. É uma grande piada", afirmou o chefão da F1, em entrevista ao jornal inglês The Telegraph.

A polêmica teve início quando o canal de televisão inglesa Sky Sports exibiu um vídeo, com imagens feitas pela câmera instalada no carro de Vettel, mostrando uma suposta ultrapassagem irregular sobre o francês Jean-Eric Vergne na volta 4 do GP do Brasil, no domingo.

Vettel teria passado pelo rival sob bandeira amarela, que impede trocas de posição. A manobra poderia custar uma punição ao alemão. Pelas regras, o piloto da Red Bull estaria sujeito a um acréscimo de 20 segundos em seu tempo final de corrida. Assim, pularia do sexto para o oitavo lugar, resultado que tiraria seu título.

De olho no troféu da temporada, que poderia cair no colo de Fernando Alonso, a Ferrari se manifestou nesta quinta e pediu um esclarecimento oficial à FIA. A atitude recebeu críticas de Ecclestone. "O que a Ferrari está fazendo é errado. Não acho que seja necessária qualquer ação. É completamente errado", declarou.

O dono dos direitos da F1 garantiu que não haverá mudanças na definição do campeonato, mesmo antes de uma resposta oficial da FIA, responsável pela regulamentação da Fórmula 1. "Nada vai acontecer. O que eles [Ferrari] podem fazer? Entrar com um ação civil? Talvez. Mas este caso já é falho desde o início. Nada vai acontecer", repetiu Ecclestone.

O episódio também foi minimizado por Norman Howell, diretor de comunicação da FIA. "O incidente não foi reportado aos comissários da prova porque não pareceu ser necessário. Agora que a Ferrari nos enviou o comunicado pedindo esclarecimento, nós vamos levá-lo até os comissários", explicou.

Na avaliação dos representantes da F1 e da FIA, o episódio não deveria merecer maior atenção porque uma bandeira verde exibida logo após um sinal luminoso amarelo teria permitido a ultrapassagem de Vettel. A bandeira verde não foi flagrada no vídeo feito a partir da câmera do carro do alemão.

"Vettel fez tudo de maneira correta. Ele agiu logo após ver a bandeira verde, que estava 350 metros à frente da última placa luminosa amarela", justificou Charlie Whiting, diretor de corridas da F1 e delegado de segurança da FIA, em entrevista ao site da revista alemã Sport Bild. "Nunca tivemos dúvidas de que essa ultrapassagem foi legal".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.