Ecclestone garante Massa na Ferrari

Enquanto Michael Schumacher estabelecia,neste sábado, surpreendentemente, a pole position do GP da Hungria, no paddock do circuito de garoring a notícia bombástica de que Rubens Barrichello assinou com a BAR, por dois anos,movimentou a Fórmula 1. E não é tudo: Bernie Ecclestone, promotor do Mundial, confirmou também que seu substituto na equipe italiana é outro brasileiro, Felipe Massa, hoje na Sauber. "Os dois negócios já estão fechados". Nem sempre o queEcclestone garante se concretiza. A definição do grid da 13ª etapa da temporada passou bem para segundo plano, neste sábado, diante da agitação do mercado de pilotos. Rubinho disse à imprensa do mundo todo que "na hora certa fará um pronunciamento sobre seu futuro". O que não estava claro, ainda, é qual o destino de Massa, piloto que disputa bom campeonato e tem a carreira dirigida por Nicolas Todt, filho de Jean Todt, diretor-geral da Ferrari. A informaçãode Ecclestone, se proceder mesmo, leva o Brasil a ter dois pilotos em duas equipes de ponta da Fórmula 1, situação vivida apenas na época de Ayrton Senna, na McLaren, e Nelson Piquet,Williams, no fim dos anos 80. Na corrida deste domingo Rubens Barrichello larga em 7º. "Saípara a classificação com mais gasolina", explicou. Já FelipeMassa, com dificuldades de acerto no carro, não foi além da 14ªcolocação. O piloto também se recusou a comentar a afirmação deEcclestone de que já assinou com a Ferrari. "Negociamos comalguns times, não é segredo, dentre eles a Ferrari, mas não hánada acertado ainda com ninguém". As outras escuderias são aBMW, como se chamará a Sauber, e até a BAR, embora a presença deum brasileiro lá quase inviabiliza a contratação de outro.Jenson Button, piloto atual da BAR, vai mesmo para a Williams,garantiu Frank Williams, na sexta-feira. "Assinou compromissoconosco", disse o dirigente. Enquanto as negociações se apressam com a definição de Rubinhona BAR, o campeonato segue seu curso. As 70 voltas da corrida deBudapeste prometem ser, talvez, as mais disputadas do Mundialaté agora. Juan Pablo Montoya, com a McLaren muito rápida, largaem 2º. "Se não tivesse errado na primeira curva poderia terobtido a pole position", falou. Seu companheiro, Kimi Raikkonen se nada quebrar na sua McLaren-Mercedes, como em geral acontece 4º no grid, irá para cima do alemão, que obteve a 64ª pole dacarreira, uma a menos de Senna, líder do ranking, com 65. Mais: o líder da temporada, Fernando Alonso, da Renault, largaem 6º. "Não pensem que estamos fora da luta pela vitória",comentou. Em nenhuma das 13 etapas realizadas este ano oscandidatos a vencer a prova foram tantos como no GP da Hungria.A TV Globo transmite a corrida a partir das 9 horas (horário deBrasília).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.