Ecclestone, muito feliz com a corrida à noite GP de Cingapura

Pode ser que no futuro as provas por estes lados do mundo também sejam realizadas nesse horário, diz chefão

Lívio Oricchio, O Estado de S. Paulo

27 de setembro de 2008 | 10h13

Normalmente comedido, pouco propenso a manifestações emotivas, Bernie Ecclestone expressava, nesta sexta, imensa satisfação depois dos primeiros treinos livres do GP de Cingapura, os primeiros na história sob iluminação artificial. "É um sonho. Sempre tive interesse numa corrida à noite. O trabalho realizado aqui é admirável", afirmou.Veja também: Economias locais se beneficiam com corridas da F-1   Brincou quando lhe perguntaram se temia que a chuva pudesse reduzir a visibilidade e comprometer o evento. "Eu tenho guarda-chuva." Deu a entender que os técnicos previram a situação e o sistema de iluminação foi projetado levando já em conta essa possibilidade. "Pode ser que no futuro as provas por estes lados do mundo também sejam realizadas nesse horário, a fim de que na Europa sejam numa boa hora para a TV."   O calendário de 2009 também foi abordado por ele. Já está certa a entrada de Abu Dhabi, decorrente de superprojeto de parque temático com investimentos de US$ 5 bilhões, sob orientação da Ferrari. Um autódromo está sendo construído dentro do parque. Ecclestone, no entanto, falou que a Índia talvez entre no calendário mais para a frente. "As obras estão em curso, mas vejo com maiores possibilidades em 2010."   Este ano o campeonato terá 18 etapas. O GP de Cingapura é o 15º do calendário. A edição de 2009 atingiria 20 provas se Abu Dhabi e Índia fossem confirmados. O país árabe já está certo, o que leva a crer que serão 19 etapas apenas.   Há pressão dos chefes de equipe para que haja um intervalo de três semanas em agosto, o verão europeu. "Os integrantes dos times, não só os cerca de 80 que se deslocam a cada corrida, mas o que permanecem nas fábricas também, não agüentam sem uma parada", costuma dizer Ron Dennis, da McLaren. "Estou tentando encontrar uma solução", falou, ontem, Ecclestone. Para ele, a disputa pelo título não tem favoritos. "Penso que as chances são de 50% para cada piloto", afirmou, referindo-se a Lewis Hamilton, da McLaren, com 78 pontos, e Felipe Massa, Ferrari, 77.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.