Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Em 7º, Alonso projeta pódio 'com chuva ou sem chuva'

O piloto da Ferrari lembra que a equipe sempre largou em posições próximas ao sétimo e oitavo lugares

FELIPE ROSA MENDES E VALÉRIA ZUKERAN, Agência Estado

24 de novembro de 2012 | 18h17

SÃO PAULO - Apesar de a Ferrari estar distante das primeiras posições do grid de largada do GP do Brasil de Fórmula 1, Fernando Alonso está otimista com as possibilidades de terminar a corrida no pódio "com chuva ou sem chuva". O espanhol, que luta contra Sebastian Vettel pelo título de Mundial de Pilotos da temporada, não se abalou com o fato de sair na sétima posição - foi o 8º no treino, mas ganhou uma posição por causa de punição imposta ao venezuelano Pastor Maldonado.

O espanhol está tranquilo e lembrou que ao longo da temporada a equipe sempre largou em uma posição próxima a oitavo e sétimo lugares. "E quando saímos em sexto é porque aconteceu algo de extraordinário." A diferença tem acontecido durante as corridas. "Os pontos se ganham no domingo e não no sábado e até agora as coisas aconteceram conforme esperávamos."

Alonso admitiu que a McLaren se mostrou melhor nos treinos e deve ser agressiva porque ainda disputa o Mundial de Construtores contra a Ferrari, que não vai deixar de lado a possibilidade de superar a rival. "Para o Mundial de Pilotos eles estão fora e precisamos de uma combinação de resultados estranha. Vamos ver o que pode acontecer."

Questionado mais uma vez sobre a possibilidade de contar com uma ajuda de Felipe Massa, como já aconteceu na corrida passada, Alonso minimizou a polêmica sobre a troca de câmbio no carro do companheiro, que lhe garantiu uma posição extra no grid em Austin, nos Estados Unidos, e a largada no lado "limpo" da pista. Para o espanhol, a torcida não compreendeu a decisão da Ferrari.

"Acho que os torcedores não entenderam o que aconteceu em Austin. Nossa previsão era de que perderíamos posições na primeira curva [caso tivesse largado em 9º]. Mas, ao largar em 7º, viramos em 4º na primeira curva. A situação não beneficiou somente a mim, mas a toda equipe. E agora temos 14 pontos a mais que a McLaren no Mundial de Construtores", justificou.

Alonso está consciente de que, se for campeão, proporcionará uma alegria enorme aos fãs. Porém, se isso não acontecer, para a Ferrari ficará a sensação de que o time superou adversidades e fez o melhor possível. "Por sorte ou desgraça a temporada deixou a impressão de que nesta corrida será tudo ou nada. Temos de apagar esse nada, pelo menos internamente".

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP do BrasilFernando Alonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.