Em Interlagos, um grupo bem especial

O dia foi especial para 130 adolescentes de 14 abrigos, um centro de referência e uma casa de acolhida da prefeitura de São Paulo: eles foram convidados para assisttir aos treinos livres do GP do Brasil de Fórmula 1, em Interlagos. Acordaram cedo, tomaram café da manhã e rumaram para o autódromo nesta sexta-feira. E na arquibancada, a torcida era quase toda para Rubens Barrichello.?Gosto do Rubinho porque ele não desiste nunca, coitado. Torço para ele porque ele parece um cara muito legal?, disse Débora de Oliveira,de 14 anos. Cursando a sétima série do ensino fundamental, a garota mora em abrigos desde maio de 2004. ?Não me dei bem com meu padrasto e procurei o conselho tutelar. Já me sinto em casa com os meus amigos.?Do grupo do abrigo de Indianópolis, José Roberto Azevedo, de 16 anos, era um dos mais interessados nas máquinas da Fórmula 1. ?Trabalho com a personalização de carros: rebaixamos, pintamos, trocamos rodas, o som. Eu gosto muito do que faço?, contou o estudante da oitava série. Mas, apesar da empolgação, o garoto admitiu que prefere ver a Stock Car. ?É muito interessante. Já vim ao autódromo algumas vezes para ver campeonato de arrancada.?Como Débora, José Roberto é fã de Rubinho. ?Ele é um cara engraçado, por isso gosto dele. Mas na verdade, aqui vai ganhar o (Michael) Schumacher?, disse o garoto, que há oito anos mora no mesmo abrigo. ?Nem me lembro porque fui parar lá. Mas gosto do abrigo, é onde tenho muitos amigos.?O caçula e mais tímido da turma era Claudinei Barbosa, de 13 anos.Era o único que discordava dos amigos: ?Vai ganhar o Fernando Alonso?, avisou. E por quê? ?Porque ele é bom, ué.?Pedro Moutinho de Souza, de 24 anos, era o monitor responsável pelos adolscentes em Interlagos. ?Mesmo para pessoas que têm condições sociais e financeiras já é difícil acompanhar a Fórmula 1. Para eles, é uma oportunidade única, estão adorando?, revelou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.