LEO MARTINS/ESTADAO
LEO MARTINS/ESTADAO

Em meio à indefinição sobre privatização, prefeito de SP diz apoiar GP de F-1

Contrato da Prefeitura com a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) vai até 2020

Wilson Baldini Jr., Estadão Conteúdo

31 Outubro 2018 | 15h54

Em meio à indefinição sobre o processo de privatização do Autódromo de Interlagos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou nesta quarta-feira que vai dar apoio à realização da corrida nos próximos anos na capital paulista. O contrato da Prefeitura com a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) vai até 2020.

"Primeiro precisamos saber o que pode ser feito aqui. A Prefeitura sempre vai estar ao lado do GP. Só vamos saber de que forma poderemos ajudar", disse Bruno Covas, referindo-se à indefinição sobre a privatização do circuito. O projeto tramita na Câmara Municipal para a análise dos vereadores por intermédio do PIU (Projetos de Intervenção Urbana).

O projeto é polêmico e já gerou reclamações por parte de grandes pilotos do Brasil, que já se reuniram com as autoridades municipais para pedir que o autódromo não perca suas funções esportivas. As definições dependem dos debates na Câmara. Esta indefinição sobre a eventual privatização do autódromo já fez os promotores da corrida adiarem negociações para renovar o contrato do GP brasileiro.

As declarações do prefeito acontecem a dez dias do GP deste ano. E, para a corrida marcada para o dia 11 de novembro, a maior novidade entre as reformas, que consumiram R$ 7,4 milhões da Prefeitura e outros R$ 28,7 milhões em infraestrutura, é a pintura de faixas na cor "amarelo limão" na reta principal e na entrada dos boxes.

"Esta pintura é reflexiva e ajuda a melhorar a visibilidade dos pilotos em dias de mau tempo", disse o secretário Vitor Aly. Se o método for aprovado pela FIA, outros autódromos pelo mundo poderão usar a tinta.

Antes do GP do Brasil, está prevista uma homenagem ao piloto Fernando Alonso, que vai deixar a categoria no fim da temporada. O espanhol conquistou seus dois títulos mundiais no circuito paulistano.

Os treinos livres do GP do Brasil começam na sexta-feira, dia 9. No sábado, dia 10, acontecem os treinos classificatórios para o grid de largada. O inglês Lewis Hamilton é o campeão antecipado, enquanto o alemão Sebastian Vettel é o vice. Os finlandeses Kimi Raikkonen e Valtteri Bottas e o holandês Max Verstappen lutam pelo terceiro lugar.

FUTURO

Na entrevista coletiva concedida nesta quarta, na apresentação do GP deste ano, Bruno Covas afirmou também que a Prefeitura tem planos de tornar a maior cidade da América Latina na "Capital Mundial do Automobilismo". E vários eventos poderão se unir ao GP de F-1.

A cidade vai receber uma etapa do Mundial de Endurance (WEC) ano que vem. "Estive pessoalmente em Fuji, no Japão, para assinar o contrato", disse o político, que também tem interesse em organizar uma prova de Fórmula E, em 2020.

"A infraestrutura é outra para a Fórmula E, mas temos condições de trazer este evento em 2020", afirmou Vitor Aly, secretário municipal de Serviços e Obras, que revelou uma vistoria da direção da Fórmula E para 31 de janeiro. "A intenção é desenhar um traçado em volta do Parque do Ibirapuera."

A motivo é movimentar o turismo da cidade, o que injetaria dinheiro no comércio. Segundo Orlando Faria, secretário de Turismo, em 2017, o GP do Brasil foi visto por 140 mil pessoas em Interlagos, das quais 10% era estrangeiros. "A nossa intenção é que essas pessoas venham para a corrida, mas também visitem o Masp, a Praça da Sé e pontos turísticos da cidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.