Em oitavo, Piquet lamenta estratégia conservadora

Após a corrida, brasileiro diz que deveria ter tentando fazer apenas uma parada para pneus

Redação

19 de outubro de 2008 | 11h10

Oitavo colocado no GP da China deste domingo, Nelsinho Piquet arrependeu-se de ter adota uma estratégia conservadora, de duas paradas. O brasileiro da Renault gostaria de ter feito um pit stop apenas, como Timo Glock, da Toyota, o sétimo colocado, porque o desgaste de pneus não estava tão grande quanto se esperava.Veja também: Hamilton vence na China, Massa é 2.º e adia decisão da F-1"Era viável fazer uma corrida com um pit stop só, usando só dois jogos de pneus. O desgaste não estava tão alto quanto achávamos que estaria, então poderíamos ter feito como o Glock fez", disse Piquet, que confessou ainda estar aprendendo."O carro está um pouco melhor, temos tido um pouco mais de sorte, estou aprendendo corrida após corrida, obviamente. Mas daria para ter feito um pouco mais, uma estratégia mais eficiente, uma escolha melhor dos pneus", disse.BARRICHELLOMais experiente competidor da história da F-1, Rubens Barrichello foi o 11º em Xangai, e acredita ter feito o melhor que podia com o carro da Honda. Jenson Button, parceiro de equipe do brasileiro, ficou em 16º."Foi 'pauleira' o tempo inteiro, mas o ritmo do nosso carro está abaixo dos rivais. De qualquer forma, fiz uma boa largada, consegui ultrapassar o Glock por fora no início da volta e manter o ritmo com o Nelsinho. Depois tive uma corrida meio solitária, mas andando relativamente rápido o tempo inteiro", disse Barrichello.Ainda sem vaga na equipe em 2009, Barrichello tentou amenizar o clima de "despedida" que envolve o GP do Brasil, do próximo dia 2."Vou encarar como se fosse mais um GP Brasil, que é sempre fantástico e tem uma energia ótima", afirmou. "Estou mostrando muita vontade. Acabei de sair de uma reunião de uma hora e meia, pois é assim que eu sou, então quero continuar", comentou Barrichello, que diz negociar com a Toro Rosso, mas que precisa arrumar um patrocinador para ir para a equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.