David Mdzinarishvili/ Reuters
David Mdzinarishvili/ Reuters

Em quarto no grid, Vettel admite que poderia ter sido mais rápido no treino

Piloto da Ferrari ficou atrás dos dois carros da Mercedes e de seu companheiro Kimi Raikkonen

Estadão Conteúdo

24 de junho de 2017 | 15h18

O alemão Sebastian Vettel fez apenas o quarto melhor tempo no treino classificatório para o GP do Azerbaijão. Ficou atrás dos carros da Mercedes, principais concorrentes ao título, e também de seu companheiro de Ferrari, Kimi Raikkonen. No entanto, o atual líder do Mundial de Pilotos evitou lamentar a posição no grid.

"O resultado está OK. Obviamente não estou completamente satisfeito. Não tenho desculpas, poderia ter feito melhor. Acho que tinha ritmo no final, mas as coisas não deram certo", analisou após a atividade deste sábado em Baku.

Durante o Q3, Vettel apenas assistiu Lewis Hamilton e Valtteri Bottas se revezarem nas primeiras colocações. O alemão esteve sempre atrás e reconheceu que não possuía velocidade suficiente em sua Ferrari para brigar pela pole.

"Amanhã (domingo) espero que tenha uma boa chance de ganhar. O carro tem se comportado bem durante as corridas. Então vamos ver o que acontece. O começo do treino classificatório foi um pouco lento, mas no Q2 tive o carro sob controle. E o Q3 não foi ideal", comentou.

Vettel também afirmou que a bandeira vermelha causada pela batida do australiano Daniel Ricciardo o atrapalhou. A três minutos do fim, os carros tiveram que ir aos boxes. Assim, ele voltou sem tempo para conseguir uma volta rápida o suficiente para ameaçar as Mercedes.

"Os pneus esfriaram e isso atrapalhou. De qualquer maneira, amanhã a história será diferente", finalizou. Vale destacar que Hamilton conseguiu a pole após a bandeira vermelha e também precisou lidar com o resfriamento dos pneus.

Raikkonen também destacou os problemas em manter os pneus aquecidos no circuito de Baku. "Se você conseguir mantê-los funcionando 100% em uma volta, você conseguirá facilmente ser muito mais rápido. Mas não foi o caso hoje", disse.

O finlandês aavaliou que a corrida deste domingo será uma incógnita, pois durante a prova os pneus ficarão mais aquecidos e por isso quem acertar na estratégia deverá vencer. "Estou confiante que correremos bem próximos de nossos adversários", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.