Em São Paulo, espanhóis também vibraram

Quando o piloto Fernando Alonso, da Renault, recebeu a bandeirada ao chegar em terceiro no GP do Brasil, neste domingo, a pequena comunidade asturiana reunida na 47.ª Festa de Astúrias, promovida pelo Centro Asturiano de São Paulo, no Ipiranga (Zona Sul), festejou bastante. As pessoas levantaram e aplaudiram Alonso, e a música ?Tema da Vitória?, que ficou conhecida como tributo à Ayrton Senna, deu tom à comemoração. ?É muito emocionante. O Alonso é um representante de Astúrias. É o primeiro espanhol a ganhar um título da Fórmula 1 e o mais jovem campeão da história?, diz Lucinio Fernandez Sierra, que nasceu nas Astúrias e está no Brasil há 45 anos. Sierra estava vestido com uma camiseta azul e amarela com um desenho de Alonso, que trouxe das Astúrias. ?Sou fã eterno de Senna e o considero ícone da Fórmula 1. Agora estou feliz pelo Alonso que é asturiano. Tenho esperança que ele siga o caminho de vitórias do Senna?. O garoto William Ordiales Oliveira, de 7 anos, vestia uma camiseta com a imagem de Alonso e permanecia ao lado de seu avô, Raul Garcia Ordiales, de 69 anos, que estava com a bandeira das Astúrias nas costas. ?O Alonso é o meu ídolo?, diz Oliveira. Para o avô, o piloto deu novo brilho à Fórmula 1. ?Sempre acompanhei as corridas. Minha torcida sempre foi para os brasileiros, em especial para o Emerson Fittipaldi e o Nelson Piquet. Agora é a vez dos espanhóis?. Aproximadamente 400 pessoas compareceram à festa que, anualmente, acontece no último domingo de setembro. ?Foi uma coincidência feliz. Reunimos a comunidade e festejamos o título de Alonso. Ele é nosso ídolo?, diz o presidente do Centro Asturiano de São Paulo, José Maria Aldariz Gutiérrez, de 63 anos. A festa foi marcada pelo sabor da fabada asturiana, prato típico da região, feita com feijão branco, carnes nobres de porco e chouriço. Teve apresentação do grupo de dança ?Lembranza e Agarimo?, que representou um pouco da cultura asturiana com uma apresentação alegre e ritmo vibrante, ao som de gaita de fole e tambor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.