Equipes da F1 querem saída de Mosley

Oficialmente, o GP da Grã-Bretanha começa nesta quinta-feira, com a inspeção técnica dos carros, embora só haverá treinos livres na sexta. Mas, desde hoje, a 11ª etapa do Mundial do Fórmula 1 já está muito quente, apesar do frio no circuito de Silverstone. As sete equipes que competem com pneus Michelin, mais a Minardi, que usa Bridgestone, fecharam questão contra o presidente da FIA, Max Mosley: ou ele sai da entidade ou as oito, juntas, promoverão seu próprio campeonato. E já! Nesta quarta-feira, os representantes de Renault, McLaren, Toyota, Williams, Red Bull, Sauber, BAR e Minardi reuniram-se em Munique, na Alemanha, a fim de estudar uma maneira legal de afastar Mosley da FIA. Em outubro haverá nova eleição para mais quatro anos de mandato, mas o grupo deseja ver o dirigente fora da presidência desde já. As equipes acham uma afronta serem consideradas "culpadas" pelo Conselho Mundial da FIA (todos os 20 membros são indicados pelo presidente) por não terem disputado o GP dos Estados Unidos, dia 19 de junho, em Indianápolis. "Como poderíamos correr se nosso fornecedor de pneus nos disse que seus pneus explodiam?", afirmou Ron Dennis, da McLaren.Mas o desgaste entre os diretores das escuderias e o presidente da FIA vem de data mais longa. Mosley não esconde suas dúvidas sobre os benefícios para a Fórmula 1 de os times pertencerem às montadoras. Diz que elas entram e saem do Mundial de acordo com seu balanço financeiro, sem ligar para os ideais esportivos. Hoje, seis delas se enquadram nessa categoria: Renault, McLaren-Mercedes, Ferrari-Fiat, Toyota, BMW (adquiriu a Sauber) e BAR-Honda. Os métodos de negociação de Mosley para convencer os representantes das equipes a concordarem com a extensão do Acordo da Concórdia são também, como definiu Frank Williams, "nojentos" - esse contrato estabelece, dentre outras coisas, as cotas de participação de cada escuderia no valor arrecadado com a venda dos direitos de TV, a maior fonte de renda da Fórmula 1.O jornal inglês The Guardian publicou em manchete nesta quarta-feira: "Agora são as equipes contra Mosley", frase dita por Frank Williams, confirmando o movimento.A ameaça de organizarem um campeonato próprio já em 2006 é real, ameaça o dirigente da Williams. A disputa teria 14 carros dos 7 times da Michelin, sendo que algumas como McLaren e Renault até poderiam inscrever um terceiro, mais os dois da Minardi. Do outro lado estariam apenas a Ferrari e a Jordan, escuderias que utilizam pneus Bridgestone e são mais alinhadas com a FIA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.