Francois Lenoir / Reuters
Francois Lenoir / Reuters

Ericsson pilotará por equipe da Indy enquanto reserva da Sauber na F-1 em 2019

Sueco será da equipe Schmidt Peterson, ao lado do canadense James Hinchcliffe

Estadão Conteúdo

30 Outubro 2018 | 13h02

Atual titular da Sauber na Fórmula 1, o sueco Marcus Ericsson acertou a sua ida para a Fórmula Indy, na qual correrá pela equipe Schmidt Peterson na temporada de 2019 da categoria norte-americana. O piloto, porém, não vai se desligar da elite máxima do automobilismo, pois também exercerá a função de reserva da Sauber na F-1 no próximo ano.

Ericsson, de 28 anos, só vai se juntar ao seu novo time na Indy após o fim deste campeonato da Fórmula 1, que ainda contará com o GP do Brasil, no próximo dia 11 de novembro, e a etapa derradeira, em Abu Dabi, duas semanas depois.

O piloto festejou o acordo com a Schmidt Peterson depois de ter sido descartado da função de titular da Sauber para 2019, quando a equipe terá o finlandês Kimi Raikkonen e o novato italiano Antonio Giovinazzi como dupla para a temporada da F-1.

"É uma grande honra ser escolhido como piloto da Schmidt Peterson e da Indy para a temporada 2019. Sinto que é um passo perfeito para mim e para minha carreira após cinco anos na F1. Mal posso esperar para começar a trabalhar com a equipe e todas as pessoas do time, de quem que só ouvi coisas boas", afirmou Ericsson, por meio de um comunicado.

A Schmidt Peterson também confirmou nesta terça-feira que o sueco assumirá o cockpit do carro número 7, com parceiro de equipe do canadense James Hinchcliffe. Já o posto do monoposto de Robert Wickens, também do Canadá, seguirá desocupado enquanto o time aguarda pela evolução do tratamento do piloto após o grave acidente que ele sofreu na etapa de Pocono da Indy, em 19 de agosto, nos Estados Unidos.

Na semana passada, Wickens confirmou que o acidente o deixou paraplégico, mas avisou que ainda existe a possibilidade de ele voltar a andar. O canadense espera poder fazer isso em até no máximo 24 meses.

Novo integrante da Schmidt Peterson, Ericsson estreou como titular da F-1 em 2014, pela Caterham. Ele se transferiu para a Sauber já em 2015, ano em que conquistou um oitavo lugar no GP da Austrália, até hoje o seu melhor resultado na categoria.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.