Espanhóis preparam festa em São Paulo

A pequena comunidade asturiana em São Paulo estará mobilizada hoje, a partir das 14 horas, para acompanhar o Grande Prêmio do Brasil. Para os que vivem aqui é uma oportunidade única de falar da terra natal, reconhecidamente em evidência graças a Fernando Alonso. Segundo o Consulado Geral da Espanha, cerca de 2 mil asturianos vivem em São Paulo.A data da corrida não poderia ser melhor. O GP do Brasil coincide com a celebração da 47ª Festa de Astúrias, promovida pelo Centro Asturiano de São Paulo. A entidade, localizada na Vila Monumento, é presidida pelo corretor de seguros José Maria Aldariz Gutiérrez, de 63 anos ? 46 deles no Brasil. A festa da comunidade ? e, pela ocasião, também por Alonso ? será feita ao sabor da fabada asturiana, prato típico da região. ?É como se fosse a feijoada brasileira, feita com fava, carnes nobres de porco e chouriço?, explica Gutiérrez. Para ninguém perder as emoções da prova, um telão foi providenciado. ?Vai ser um olho no prato, outro na corrida.?Fernando Alonso tem muitos fãs por aqui, garante Gutiérrez. Ele dá o exemplo de uma vizinha do prédio onde mora: dona Esperanza, de 80 anos. ?Ela é fanática por tudo que vem da sua terra e faz questão de pendurar a bandeira asturiana na janela.? No ano passado, o presidente tentou levar Alonso à entidade. ?Mas os compromissos com patrocinadores não permitiram. Nesse ano, sequer tentamos.?Aliás, Gutiérrez aproveita a oportunidade para fazer um esclarecimento. ?Ao contrário do que falam na televisão, aquela bandeira que Alonso mostra depois das vitórias não é da Renault.? A confusão se justifica: tanto o Principado quanto a equipe tem as mesmas cores: azul e amarelo.O empresário Pablo Fernandez, de 31 anos, não estará no Centro Asturiano, mas vai ficar de olho na corrida. Ele assume que só começou a se interessar por F-1 recentemente. ?Como todo asturiano, desde Alonso.? Há dois anos no Brasil, Fernandez preside a Associação dos Exportadores Asturianos em São Paulo e também representa o governo do Principado por aqui. Junto com 15 amigos (nem todos de Astúrias), acompanhará a corrida pela TV. A modesta comemoração em São Paulo faz contraste com a festa preparada em Oviedo, capital de Astúrias e cidade natal do piloto. Segundo Pablo, 2 mil ingressos evaporaram da bilheteria do Auditório Príncipe Felipe, teatro que sempre transmite corridas da F-1 na era pós-Alonso. ?Venderam tudo em uma hora?, espanta-se.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.