Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Site oficial da Sauber
Site oficial da Sauber

'Espero ser a próxima mulher a correr na Fórmula 1', diz Tatiana Calderón, piloto da Sauber

Colombiana de 24 anos é piloto de desenvolvimento da escuderia

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2017 | 17h00

Ao abandonar o automobilismo em 2015, a escocesa Susie Wolff, então piloto de testes da Willians, publicou um duro relato em um blog sobre a chance de uma mulher competir na Fórmula 1. “Se acho que existem mulheres preparadas? Sem dúvida. Se eu acredito que isso vai acontecer a curto prazo? Infelizmente, não.”

Faz quatro décadas, desde 1976, que uma mulher não emparelha um carro no grid de largada na F-1. Mas dois anos depois do amargo adeus de Susie Wolff, outra competidora, a colombiana Tatiana Calderón, volta a sonhar em correr na categoria, esporte dominado por homens e cujo chefão até o ano passado, inglês Bernie Ecclestone, mantinha um discurso machista em suas entrevistas. “Não conheço uma mulher capaz de pilotar um carro de Fórmula 1”, comentou, em 2016.

Tatiana, de 24 anos, assinou contrato com a Sauber para ser a piloto de desenvolvimento, seguindo o caminho de Susie. “Comentários como esse (de Ecclestone) fazem com que você fique mais forte. Eu sempre corri contra homens e nunca senti que não posso ganhar. E ganhei em várias categorias. É preciso mudar essa percepção de muitos anos”, disse ela ao Estado, em entrevista por telefone.

Tatiana ganhou no kart, onde começou a correr em Bogotá. Venceu corridas e foi campeã da categoria também nos Estados Unidos. É a única mulher a subir ao pódio na Fórmula 3 britânica. Ano passado, ela chegou à GP3, quando seus resultados chamaram a atenção da Sauber, escuderia comandada por mulheres. Monisha Kaltenborn é a chefe do time. E Ruth Buscombe, a estrategista das corridas.

Como piloto de desenvolvimento, Tatiana continuará disputando provas da GP3, mas passará a integrar o time da Sauber nos GPs europeus de F-1, trabalhará com engenheiros da escuderia e fará sessões no simulador. Esse é o passo a passo até guiar um carro de F-1.

“Sempre é difícil ser mulher nesse esporte porque você tem de ganhar respeito dentro e fora da pista”, diz. “Mas os tempos vão mudando, pouco a pouco. Há mulheres trabalhando na F-1 e a Sauber é bom exemplo disso.”

Apenas cinco mulheres participaram de provas da principal categoria do automobilismo. A primeira delas foi a italiana Maria-Teresa de Filippis, entre os anos de 1958 e 59. Lella Lombardi, também italiana, disputou 12 Grandes Prêmios nos anos de 1970. E ela foi a primeira (e única) a pontuar na categoria, e a última a disputar um GP, em 1976. “Espero que eu seja a próxima”, diz Tatiana. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.