Alesandro Garofalo/Reuters
Alesandro Garofalo/Reuters

Ex-chefe de Vettel, Gerhard Berger sugere que piloto da Ferrari se aposente

Austríaco afirma que tetracampeão não vive mais o melhor momento na Fórmula 1 e deveria repensar a carreira

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 08h00

O ex-piloto austríaco Gerhard Berger deu nesta terça-feira um conselho incomum para o tetracampeão mundial de Fórmula 1 Sebastian Vettel. Na opinião do ex-colega de Ayrton Senna e antigo chefe de Vettel dos tempos de Toro Rosso, o alemão da Ferrari deveria se aposentar, já que as condições atuais na categoria não lhe são favoráveis.

"Sebastian foi campeão mundial quatro vezes e sobreviveu bem a tudo. Meu conselho seria se retirar. Por outro lado, conheço Sebastian muito bem. Ele é um piloto puro-sangue, ele quer vencer corridas novamente. A Racing Point é a equipe mais adequada para isso no momento", disse Berger ao site alemão Sport Buzzer. O austríaco correu na categoria de 1984 até 1987.

Para Berger, como Vettel não tem contrato para correr pela Ferrari no próximo ano e há poucas opções disponíveis no grid, o melhor a ser feito é se despedir da categoria. Caso insista em continuar, a recomendação do ex-piloto é que Vettel assine com a Racing Point. "Eu diria que um calibre como Sebastian estaria claramente no pódio e pode talvez vencer a Mercedes ou pelo menos desempenhar um papel lá em cima. Seria uma situação muito melhor do que ele encontra na Ferrari", comentou.

O austríaco, que teve duas passagens e seis temporadas como piloto da Ferrari, afirmou que a situação da equipe italiana é ruim na categoria e, por isso, Vettel deveria repensar a carreira. "A Ferrari perdeu um segundo para o restante do grid, ou seja, 50, 60 cavalos de potência. Antes disso, porém, eles não estavam à frente da Mercedes em termos de desempenho. É um trabalho incrivelmente difícil. Talvez um ano ou dois de trabalho", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.