Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

Ex-piloto russo critica protestos de Hamilton na Toscana: 'A camiseta foi demais'

Vitaly Petrov defende posição forte da Fia em relação ao inglês na semana do GP da Rússia, marcado para domingo

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 10h44

O ex-piloto russo Vitaly Petrov criticou o inglês Lewis Hamilton pelo uso da camiseta pedindo por justiça pela norte-americana Breonna Taylor, no pódio do GP da Toscana, no último dia 13, e também o fato de o hexacampeão mundial de Fórmula 1 pedir que os demais pilotos se ajoelhem em prol do movimento "Vidas negras importam" ("Black Lives Matter").

A crítica de Petrov foram feitas na semana do GP da Rússia, marcado para domingo. "Para mim essa camiseta foi demais, assim como quando ele pediu a todos que se ajoelhassem. É um questão pessoal que muda de adulto para adulto. Você tem o direito de falar nas redes sociais ou de dar entrevistas, mas acho que o governo dos Estados Unidos já está bem ciente desses problemas", disse Petrov, em entrevista ao site Championat.

Piloto da Renault, Lotus Renault e Caterham entre os anos de 2010 e 2012, Petrov não considera o ambiente da Fórmula 1 propício para estes protestos. "Acho que metade dos espectadores nem sabia do que era a camisa até que foi explicado a eles. Digamos que um piloto admita ser gay, ele usará uma bandeira de arco-íris para incentivar todos a serem gays também? Acho que a FIA não vai mais permitir esse tipo de comportamento."

Na Rússia, qualquer atleta ou torcedor, gay ou defensor dos direitos dos mesmos (incluindo atletas e treinadores) podem ser presos por até 14 dias e, em seguida, expulsos do país, caso tenham atitude de divulgação do que é designado como "propaganda homossexual".

Segundo Petrov, existe um modo diferente de pensar na Rússia. "Temos uma mentalidade diferente e não temos os problemas de que Hamilton fala. Tem que haver respeito por todos", disse o ex-piloto, que defendeu o fato de o compatriota Daniil Kvyat não ter se ajoelhado nos protestos após a morte do negro George Floyd por um policial branco nos Estados Unidos em maio. "Os russos não se ajoelham por nenhum motivo, exceto diante de Deus e para propor à sua futura esposa." 

Após vencer o GP da Toscana, sua sexta vitória na temporada, Hamilton usou uma camiseta que pedia a prisão dos policiais que mataram Breonna Taylor, uma jovem negra que foi baleada oito vezes em 13 de março, em Louisville, Kentucky, Estados Unidos. Dos três policiais envolvidos no caso, dois foram retirados das ruas e outro foi demitido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.