F-1: brasileiros têm dia ruim

O Brasil não teve nesta segunda-feira um bom dia na Fórmula 1. Em Ímola, na Itália, a Ferrari programou para treinar com seu novo carro, F2002, Luca Badoer, piloto de testes. Até agora Rubens Barrichello não testou o F2002, o que não deixa de ser falta de prestígio na equipe. Também Felipe Massa sofreu seu terceiro acidente este mês. Ao pilotar o modelo C21 da Sauber em Mugello, errou e bateu forte. Em Silverstone, a direção da Arrows privilegiou novamente Heinz-Harald Frentzen. O seu companheiro, o brasileiro Enrique Bernoldi, andou bem pouco até agora com o A23-Ford. Uma semana e um dia depois de iniciar os testes de pista do F2002 e a Ferrari ainda não escalou Rubens Barrichello para conhecê-lo. Até o seu piloto de testes já o testou. Nesta segunda-feira, no circuito Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, a Ferrari trabalhou com Michael Schumacher no F1-2001, o que será usado no GP da Austrália, dia 3, e o F2002. As condições do dia eram ruins, com o céu sempre carregado e temperatura que variou de 6 a 11 graus. O alemão completou 26 voltas, sendo a melhor em 1min30s097, marca bem distante da obtida por David Coulthad, da McLaren, para obter a pole position do GP de San Marino, ano passado, no mesmo circuito, 1min23s054. Badoer percorreu 43 vezes o traçado de 4.933 metros. Na mais rápida fez 1min31s411. Os treinos prosseguem até quarta-feira. Felipe Massa enriqueceu seu currículo de pré-temporada com mais um acidente sério. Nesta segunda-feira, no teste de Mugello, ele perdeu o controle do seu Sauber C21 na curva 11, depois de 23 voltas na pista, e bateu com violência. A exemplo dos acidentes sofridos dia 6 e 7 em Valência, Massa não se feriu, apesar da extensão dos danos no carro. Havia ainda bastante umidade no asfalto na hora do acidente, pela manhã, por causa da chuva que caíra horas antes. A Sauber interrompeu o teste e agora só retorna à pista no primeiro treino oficial do GP da Austrália, dia 1.º em Melbourne. As equipes Renault, Arrows e Jordan treinaram em Silverstone com seus modelos 2002. Jarno Trulli, da Renault, foi o mais rápido, 1min24s390 (64), seguido por Heinz-Harald Frentzen, Arrows, 1min25s106 (15), Giancarlo Fisichella, Jordan, 1min25s996 (10) e Takuma Sato, Jordan, 1min30s970 (1). A BAR testou com Olivier Panis em Paul Ricard, na França, mas não divulgou o resultado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.