Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

F-1: candidatos ao título comentam chances

Apesar de até David Coulthard, da McLaren, sétimo no Mundial e quinto colocado hoje, ter chances matemáticas de ser campeão - como há 30 pontos em disputa, pode chegar a 75 enquanto Michael Schumacher tem 72 -, na realidade as possibilidades maiores são para os três primeiros colocados no Mundial, Schumacher, 72, Juan Pablo Montoya, 71, e Kimi Raikkonen, 70. Os três comentaram, hoje, o que esperam do GP da Itália, dia 14, dos Estados Unidos, 28, e do Japão, 12 de outubro. "Creio que já passamos pelo pior. Nosso carro mostrou no Canadá, pista semelhante a de Monza, que pode vencer nossos adversários", disse Schumacher. Ele ganhou a prova de Montreal. "Nos traçados onde atingimos as maiores velocidades somos muito competitivos." Seu otimismo se projeta para as duas etapas finais também, em especial na corrida de Suzuka. "São grandes as similaridades entre o circuito japonês e Mugello, em que realizamos a maior parte de nossos testes, por isso temos sido tão fortes lá." Schumacher venceu as três últimas edições do GP do Japão. O segundo colocado no campeonato, Montoya, vê assim: "Nos dois últimos anos fomos realmente velozes em Monza. Aposto que é pista para nós da Williams, embora reconheça que a Ferrari será bem mais competitiva lá", comentou. "Já em Indianápolis penso ser perfeitamente possível nós os vencermos e em Suzuka, apesar das vitórias deles, com o nosso avanço estaremos no mesmo nível." Curiosamente Montoya não cita a McLaren como adversária. Kimi Raikkonen, da McLaren, antes de mais nada, explicou que a equipe está concentrando todos os esforços no carro atual, MP4/17D, por ter deixado de lado o novo, MP4/18, que não vai mais ser usado. "Teremos no teste de Monza (entre os dias 2 e 5) uma série de novidades, o que não fizemos este ano por que a prioridade era o novo." O finlandês é realista quanto a Monza: "Ano passado foi um desastre. Agora, com as mudanças e o novo motor, deve ser melhor." Já no GP dos Estados Unidos é onde ele faz sua aposta. "Do que conheço do carro e do traçado, será realmente bom para nós." O êxito na prova de Suzuka está relacionado à eficiência das alterações aerodinâmicas a serem experimentadas em Monza, comentou.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2003 | 16h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.