F-1: Confusão no box custa o sexto lugar para Trulli

Toyota se atrapalha e chama piloto errado para entrar no box; equipe diz que batida de Glock provocou engano

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2008 | 16h58

A história é incrível, mas verdadeira. Na 53ª volta do GP da Espanha deste domingo, Jarno Trulli recebeu um recado urgente da Toyota, pelo rádio: "Entre no box". Era o sexto colocado e somaria 3 pontos. Já na área de box, se aproximando, perguntou: "O que foi, vai acabar a gasolina?" Não obteve resposta. Ao parar em frente seu box, os mecânicos observaram o carro inteiro e acenaram para regressar à pista rápido.   Veja também:  Ferrari, com Raikkonen, domina e vence o GP da Espanha  GP da Espanha   Assim como Trulli não sabia o motivo da ordem para entrar, também não imaginava por que lhe mandavam sair. O time japonês simplesmente errou o piloto. Havia sido seu companheiro, Timo Glock, que se tocara com David Coulthard, da Red Bull, e necessitava substituir o aerofólio dianteiro.   "Marcamos um ponto, mas poderia ser mais. O erro da nossa equipe nos custou outros dois pontos preciosos." O italiano lembrou que com Ferrari, BMW e McLaren bem na frente, sobram apenas duas posições para somar ponto, sétimo e oitavo lugares. "E nessa luta estamos nós, Williams, Red Bull e Renault. Não podemos desperdiçar as oportunidades."   Com o equívoco de piloto por parte da escuderia, Trulli caiu de sexto para oitavo na corrida. "Depois da colisão de Timo Glock houve uma confusão e enviamos mensagem equivocada para Trulli. Precisamos analisar o que aconteceu para evitar nossos erros desses", disse Tadashi Yamashima, diretor do time. A Toyota não informou de quem partiu a ordem.   Logo depois de Trulli deixar rapidamente, confuso, a área em frente ao seu box, o alemão Glock se aproximou devagar e parou no mesmo lugar. O aerofólio dianteiro fora do lugar, quase em pé, não deixou dúvidas desta vez. Não foi preciso reunir os técnicos: aquele era mesmo o piloto procurado. Glock ficou em 11º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.