F-1: Frank Williams ataca Max Mosley

Frank Williams pegou pesado contra o presidente da FIA, o inglês Max Mosley, nesta sexta-feira, pela sua postura intransigente quanto a não aceitar as propostas das equipes da Michelin para disputar o GP dos Estados Unidos, no último domingo. "Mosley quer apenas nos humilhar. Mesmo Bernie Ecclestone foi humilhado em Indianápolis." O proprietário da Williams prevê nova situação de desgaste para as sete equipes que não correram nos Estados Unidos, na quarta-feira, diante do Conselho Mundial, convocadas por Mosley para se explicarem. "Será como tentar invadir um castelo armado com apenas arco e flecha", comparou Frank Williams. "Temo que se trata de uma batalha que não podemos pensar em lutar e vencer." Há uma profunda revolta de todos os chefes de escuderias da Fórmula 1, exceto a Ferrari e sua nova parceira, Red Bull, contra Mosley. Todas as propostas de tentar viabilizar a realização da prova de Indianápolis foram rejeitadas pelo dirigente, que nem mesmo estava no autódromo, mas em Londres. "Temos de respeitar o regulamento", explicou o presidente da FIA, no dia seguinte. Essa inflexibilidade pode ter custado caro para a Fórmula 1: a saída de Indianápolis do calendário. A Toyota tratou de esclarecer, nesta sexta, o motivo pelo qual Ralf Schumacher não está treinando nos testes coletivos dos times da Michelin, em Jerez de la Frontera, na Espanha. "Ralf não tem seqüelas do acidente em Indianápolis. Apenas fazemos da segurança a nossa prioridade", disse o engenheiro Gerd Pfeiffer. No treino livre de sexta-feira do GP dos Estados Unidos, o pneu traseiro esquerdo de Ralf, da marca Michelin, explodiu, projetando sua Toyota na direção do muro, a cerca de 300 km/h. Com o impacto, o carro ficou destruído. Ano passado, pela mesma razão, só que com a Williams, Ralf teve fratura de vértebras cervical e lombar. Foi a partir do seu acidente, na sexta-feira, que a Michelin orientou seus pilotos a reduzir o número de voltas na pista e, depois, cancelar sua participação no GP dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.