F-1: uso de repelente é recomendado

A novidade, este ano, para quem vai ao Autódromo de Interlagos para assistir ao Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 é a recomendação do uso de repelentes para prevenir casos de dengue. Segundo o diretor-médico do hospital São Luiz, Carlos Brandão, já foram encontrados focos do mosquito Aedes aegypti, que transmite a doença, na região de Interlagos. Uma vez que o torcedor estará sujeito às mudanças de clima, como chuva ou sol forte, por muitas horas, outras dicas merecem ser observadas para garantir o bem-estar e evitar casos de desidratação, insolação e queimaduras de pele. Segundo Carlos Brandão, é recomendável que o torcedor não deixe de levar alguns itens essenciais, como boné, protetor solar e líquidos para enfrentar o calor, além de uma capa de chuva. Bebidas alcoólicas não são recomendadas porque aceleram o processo de desidratação. Também é recomendável usar roupas leves se, no dia da corrida, o calor for forte. No entanto, como as mudanças de clima em Interlagos podem ser repentinas, vale a pena, por precaução, levar um agasalho leve. É proibido - Para evitar situações constrangedoras, é preciso obedecer a uma série de regras. Atualmente, é proibido carregar qualquer coisa que ocupe muito espaço. Alimentos e bebidas podem até ser levados, desde que não estejam acondicionados em caixas de isopor ou sacolas volumosas. Tudo para que a "bagagem" não tire o lugar de outros torcedores. Segundo os organizadores, não serão admitidos no Autódromo de Interlagos objetos que atrapalhem ou ponham em risco a segurança e a saúde. Garrafas de vidro e qualquer objeto pontiagudo - como os canivetes - vão ser barrados na portaria, assim como gases tóxicos e fogos de artifício. As câmeras de vídeo, bem como as fotográficas, são permitidas, desde que não sejam utilizadas para fins comerciais. Aparelhos sonoros, como buzinas e alto-falantes, não sofrem nenhuma restrição.

Agencia Estado,

30 Março 2002 | 17h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.