F-1 vai mudar sistema de classificação

Ainda há discussões, mas foi o próprio Bernie Ecclestone, promotor do Mundial, quem confirmou, sexta-feira à noite, que o atual sistema de classificação, capaz de não agradar a ninguém, será modificado, talvez para o GP da Grã-Bretanha, dia 11 de julho. "Será uma volta ao passado, mas com algumas alterações no modelo que vinha sendo usado", explicou Ecclestone. "A sessão volta a ser de uma hora. Nos primeiros 20 minutos, os pilotos terão seis voltas cada, o que corresponde na prática a duas voltas lançadas, com todos na pista", contou o dirigente. "Nos 20 minutos seguintes não haverá atividade de pista. As equipes poderão mexer nos seus carros como desejarem." Pela proposta quase já definida, os carros teriam gasolina apenas para as voltas lançadas. Não seria como agora, em que os times reabastecem antes da classificação e os carros vão para a largada, domingo, com o que restou no tanque. "Nos 20 minutos finais do treino, nas sua terceira parte, os pilotos terão outras seis voltas cada", disse o dirigente. "Não há consenso ainda, mas é provável que o tempo final de cada piloto seja dado pela soma dos dois tempos, do registrado nos 20 minutos iniciais e depois nos 20 minutos finais." A partir daí, as escuderias teriam de reabastecer porque em seguida, a partir das 18 horas do sábado, os carros irão para o parque fechado e quase nenhum trabalho poderia ser realizado neles mais. Há resistência de Ron Dennis, da McLaren, que diante a pouca durabilidade dos motores Mercedes, expô-los a quatro voltas lançadas, duas em cada sessão de 20 minutos, seria aumentar consideravelmente a chance de ainda mais quebras. Até a próxima reunião do conselho Mundial, dia 25 em Paris, tudo deverá estar resolvido.Ecclestone afirmou também que "com muita probabilidade o Mundial de 2005 terá 19 etapas", uma a mais deste ano. O GP de San Marino conseguiu se salvar e a Turquia estréia no calendário, com seu autódromo já em ritmo acelerado de obras, próximo a Istambul. O campeonato deverá chegar a 20 corrida em 2006, com a inclusão da Índia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.